Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Siga-nos nas redes sociais:

União cobriu R$ 8,96 bilhões de dívidas de estados em 2021

Valor representa queda de 32,4% em relação ao ano anterior 07/01/2022 - 18:53:55

O Tesouro Nacional pagou, em 2021, R$ 8,96 bilhões em dívidas atrasadas de estados. O valor é 32,4% a mais que o registrado em 2019, quando a União havia desembolsado R$ 13,265 bilhões.

Desse total, a maior parte, R$ 4,18 bilhões, é relativa a atrasos de pagamento do estado do Rio de Janeiro. Em segundo lugar, vem Minas Gerais, com R$ 3,13 bilhões cobertos pela União.

A União cobriu débitos em atraso de mais três estados: Goiás (R$ 1,3 bilhão), Amapá (R$ 194,32 milhões) e Rio Grande do Norte (R$ 156,98 milhões). O governo federal também quitou R$ 1,56 milhão de dívidas em atraso do município de Belford Roxo (RJ).

Os dados estão no Relatório de Garantias Honradas pela União em Operações de Crédito, divulgado hoje (7) pela Secretaria do Tesouro Nacional. As garantias são executadas pelo governo federal quando um estado ou município ficar inadimplente em alguma operação de crédito. Nesse caso, o Tesouro cobre o calote, mas retém repasses da União para o ente devedor até quitar a diferença, cobrando multa e juros.

As garantias honradas pelo Tesouro são descontadas dos repasses da União aos entes federados – como receitas dos fundos de participação e Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), dentre outros. Sobre as obrigações em atraso incidem juros, mora e outros custos operacionais referentes ao período entre o vencimento da dívida e a efetiva honra dos valores pela União.

Pandemia

O principal motivo para a queda do valor das garantias honradas pela União em 2021 foi o fim da fase mais aguda da pandemia de covid-19. Em 2020, a União tinha coberto dívidas de 14 estados e de oito municípios afetados pela perda de arrecadação provocada pela restrição de atividades econômicas no início da pandemia de covid-19.

Naquele ano, o Congresso aprovou um pacote de socorro a governos locais, mas a lei foi sancionada apenas no fim de maio de 2020. Isso fez o Tesouro Nacional honrar as garantias dos entes locais na maior parte do primeiro semestre do ano retrasado, aumentando o número de estados e de municípios com dívidas cobertas pela União. Como a situação não se repetiu em 2021, o número de estados e de municípios com garantias honradas caiu.

Decisões judiciais

Nos últimos anos, decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) impediram a execução das contragarantias de vários estados em dificuldade financeira. Com a adesão do estado do Rio de Janeiro ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF), no fim de 2017, o estado pôde contratar novas operações de crédito com garantia da União, mesmo estando inadimplente. Algumas contragarantias de Minas Gerais também não estão sendo executadas por causa de liminares concedidas pelo STF.

Em maio do ano passado, o STF autorizou o governo goiano a aderir ao pacote de recuperação fiscal em troca da adoção de um teto de gastos estadual. Há cerca de duas semanas, Goiás assinou a adesão ao RRF, que permite a suspensão do pagamento de dívidas com a União em troca de um plano de ajuste de gastos.

No início da pandemia de covid-19, o STF concedeu liminar para suspender a execução de garantias em diversos estados. No fim de 2020, o ministro Luiz Fux, do STF concedeu liminar mantendo o Rio de Janeiro no regime de recuperação fiscal.

Edição: Valéria Aguiar

Foto © Marcello Casal 

© Marcello Casal 

Fonte: Agencia brasil / Wellton Máximo

Veja tambem

20/01/2022 | CONAB

Conab: Programa Modernização do Mercado Hortigranjeiro tem 1º boletim

Ceasas registram queda no preço da batata e alta da cebola

19/01/2022 | MERCADO FINANCEIRO DÓLAR

Dólar cai para R$ 5,46 e fecha no menor valor em dois meses

Bolsa subiu 1,26% em dia de recuperação

18/01/2022 | MERCADO FINANCEIRO DÓLAR

Dólar fecha acima de R$5,56 com pressão externa; mercado acompanha paralisação de servidores

O dólar à vista fechou em alta de 0,61%, a 5,5608 reais na venda.

17/01/2022 | MERCADO FINANCEIRO DÓLAR

Dólar à vista fecha em alta de 0,26%, a R$5,5271

Pouco menos de 111 mil contratos de dólar futuro haviam sido negociados na B3 até o momento, 55% abaixo da média de segundas-feiras ao longo de 2021.

14/01/2022 | MERCADO FINANCEIRO DÓLAR

Dólar cai para R$ 5,51 e acumula queda de 2,1% na semana

Bolsa de valores tem melhor semana desde março de 2021

14/01/2022 | CRISE

Suinocultores de MT têm prejuízo de até R$ 180 por animal

12/01/2022 | CRÉDITO PESCADOR

Crédito para pescadores terá impacto direto na pobreza, diz Caixa

Facilidade e juros baixos serão “revolução no setor”, disse presidente

12/01/2022 | COMBUSTÍVEIS

Redução do ICMS já está em vigor, mas Petrobras anuncia nova alta

Preço do litro da gasolina vendido para as distribuidoras nas refinarias terá reajuste médio de 4,85%

11/01/2022 | MERCADO FINANCEIRO DÓLAR

Dólar cai para menos de R$ 5,60 e fecha no menor nível do ano

Bolsa de valores recupera-se e sobe 1,8%

07/01/2022 | ECONIMIA MATO GROSSO

Mato Grosso registra abertura de mais de 75 mil empresas em 2021

A criação de novos empreendimentos no Estado ultrapassou os 20% nos últimos doze meses

01/01/2022 | ECONOMIA SALÁRIO MINIMO

Entra em vigor o novo salário mínimo de R$ 1.212

A mudança foi oficializada ontem (31), último dia de 2021, por meio de uma medida provisória (MP) assinada pelo presidente Jair Bolsonaro.

31/12/2021 | MAIOR CORTE DE IMPOSTOS

Fecomércio: Governo de MT está literalmente colocando mais dinheiro no bolso do cidadão

Economia será sentida nas contas de luz, celular/internet, gás GLP e no setor de combustíveis