Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Siga-nos nas redes sociais:

Dólar sobe quase 1% com pressão por reajuste de servidores; volume baixo acentua movimento

Na B3, às 17:35 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 1,15%, a 5,6930 reais. 29/12/2021 - 21:40:36

O dólar fechou o penúltimo pregão do ano em forte alta contra o real, em movimento exacerbado pela baixa liquidez, após novas mobilizações de funcionários públicos por aumentos salariais levantarem temores sobre mais gastos da União em 2022.

Depois de chegar a tocar 5,7010 reais no pico da sessão, o dólar à vista fechou em alta de 0,97%, a 5,6939 reais na venda, seu maior patamar desde o dia 21 deste mês (5,7394).

Na B3, às 17:35 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 1,15%, a 5,6930 reais.

Servidores das carreiras típicas de Estado decidiram nesta quarta-feira, em assembleia, promover dias de paralisação das atividades em janeiro e avaliar a realização de uma greve geral em fevereiro, em protesto pela falta de uma política de reajuste salarial do governo do presidente Jair Bolsonaro.

O anúncio dessas categorias --que vem depois de auditores da Receita Federal e fiscais agropecuários já terem iniciado mobilizações-- é mais uma reação à decisão do Executivo Federal de conceder aumentos no próximo ano apenas para categorias vinculadas às forças policiais, como a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal.

A pressão do funcionalismo por ajustes salariais tem gerado receios entre investidores sobre mais despesas da União no ano que vem, depois de o governo já ter aberto espaço fiscal --por meio da PEC dos Precatórios, que altera a regra do teto de gastos-- para financiar um programa de transferência de renda à população de 400 reais por família.

"Alertamos para o risco de aumentos nos salários de servidores ainda no início deste quarto trimestre, em meio às discussões sobre a abertura de espaço fiscal em decorrência da PEC dos Precatórios", disseram em nota analistas da Levante Investimentos.

"Esse deverá ser, além das eleições, um tema de estresse para os mercados -- em especial, nos primeiros meses de 2022. À medida em que os riscos para o quadro fiscal brasileiro vão escalando, a tendência é de reação negativa por parte dos investidores."

A credibilidade fiscal é um fator analisado por investidores estrangeiros na hora de direcionar recursos para um país, e, portanto, tem forte impacto na atratividade da moeda local.

Neste pregão, a baixa liquidez --com muitos operadores e investidores ausentes devido à aproximação do Ano Novo-- exacerbou as movimentações no mercado de câmbio, segundo Marcos Weigt, chefe de tesouraria do Travelex Bank.

A "briga" entre posições compradas e vendidas antes da formação da Ptax de fim de ano --que será na quinta-feira e tradicionalmente traz volatilidade aos mercados-- também está no radar de agentes do mercado.

A Ptax é uma taxa de câmbio calculada pelo Banco Central que serve de referência para liquidação de derivativos. No fim de cada mês, agentes financeiros costumam tentar direcioná-la para níveis mais convenientes às suas posições.

Com o desempenho desta sessão, a penúltima do ano, o dólar acumula agora alta de 9,68% em 2021.

Weigt, do Travelex, disse que o mercado de câmbio doméstico deve enfrentar desafios em 2022, principalmente a partir do início da corrida eleitoral, mas afirmou que o ciclo de aperto de juros do Banco Central deve dar suporte ao real.

"É muito caro ficar vendido em real com a taxa de juros tão alta", afirmou. A taxa Selic está atualmente em 9,25% ao ano, e a expectativa na mais recente pesquisa semanal Focus, do BC, é de que ela chegue a 11,50% em 2022.

Juros mais altos elevam a rentabilidade do mercado doméstico de renda fixa, o que tende a elevar o ingresso de recursos no Brasil e, consequentemente, beneficiar o real.

(Edição de Maria Pia Palermo e Pedro Fonseca)

   Foto Reprodução

Fonte: Notícias Agrícola / Reuters

Veja tambem

20/01/2022 | CONAB

Conab: Programa Modernização do Mercado Hortigranjeiro tem 1º boletim

Ceasas registram queda no preço da batata e alta da cebola

19/01/2022 | MERCADO FINANCEIRO DÓLAR

Dólar cai para R$ 5,46 e fecha no menor valor em dois meses

Bolsa subiu 1,26% em dia de recuperação

18/01/2022 | MERCADO FINANCEIRO DÓLAR

Dólar fecha acima de R$5,56 com pressão externa; mercado acompanha paralisação de servidores

O dólar à vista fechou em alta de 0,61%, a 5,5608 reais na venda.

17/01/2022 | MERCADO FINANCEIRO DÓLAR

Dólar à vista fecha em alta de 0,26%, a R$5,5271

Pouco menos de 111 mil contratos de dólar futuro haviam sido negociados na B3 até o momento, 55% abaixo da média de segundas-feiras ao longo de 2021.

14/01/2022 | MERCADO FINANCEIRO DÓLAR

Dólar cai para R$ 5,51 e acumula queda de 2,1% na semana

Bolsa de valores tem melhor semana desde março de 2021

14/01/2022 | CRISE

Suinocultores de MT têm prejuízo de até R$ 180 por animal

12/01/2022 | CRÉDITO PESCADOR

Crédito para pescadores terá impacto direto na pobreza, diz Caixa

Facilidade e juros baixos serão “revolução no setor”, disse presidente

12/01/2022 | COMBUSTÍVEIS

Redução do ICMS já está em vigor, mas Petrobras anuncia nova alta

Preço do litro da gasolina vendido para as distribuidoras nas refinarias terá reajuste médio de 4,85%

11/01/2022 | MERCADO FINANCEIRO DÓLAR

Dólar cai para menos de R$ 5,60 e fecha no menor nível do ano

Bolsa de valores recupera-se e sobe 1,8%

07/01/2022 | ECONIMIA BRASIL

União cobriu R$ 8,96 bilhões de dívidas de estados em 2021

Valor representa queda de 32,4% em relação ao ano anterior

07/01/2022 | ECONIMIA MATO GROSSO

Mato Grosso registra abertura de mais de 75 mil empresas em 2021

A criação de novos empreendimentos no Estado ultrapassou os 20% nos últimos doze meses

01/01/2022 | ECONOMIA SALÁRIO MINIMO

Entra em vigor o novo salário mínimo de R$ 1.212

A mudança foi oficializada ontem (31), último dia de 2021, por meio de uma medida provisória (MP) assinada pelo presidente Jair Bolsonaro.