Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Siga-nos nas redes sociais:

Soja: Preços seguem altos nos portos do BR e motivados, nesta 3ª, pelos ganhos em Chicago

Os valores no mercado disponível ainda variam entre R$ 157,00 e R$ 171,00 por saca. 21/09/2021 - 19:37:28

O repique dos preços da soja na Bolsa de Chicago nesta terça-feira (21), depois das baixas intensas do dia anterior, mais uma vez deram fôlego aos indicativos para a oleaginosa nos portos brasileiros. Segundo informações da Brandalizze Consulting, a soja da safra velha continua registrando referências entre R$ 173,00 e R$ 174,00 por saca - intervalo onde os negócios continuam ocorrendo - e chegando a testar algo até na casa dos R$ 180,00, com entrega agora e pagamento no ano que vem - onde os negócios já são mais escassos. 

Do mesmo modo, o suporte se mantém também para a soja da safra nova, para a qual as referências seguem variando entre R$ 160,00 e R$ 162,00 por saca, como relata Vlamir Brandalizze, e que também atrai alguns negócios entre os produtores brasileiros. 

As altas observadas na CBOT nesta terça - com os futuros da commodity terminando o dia com ganhos de mais de 10 pontos nos principais vencimentos - ajudaram a mitigar a pressão do dólar, que fechou o dia com baixa de 0,84% para R$ 5,29. A moeda americana devolveu parte do ganho registrado na sessão anterior, quando refletiu a forte aversão ao risco presente no mercado financeiro, já amenizada nos negócios de hoje. 

Além de Chicago, os prêmios ofertados para a soja brasileira também são pilar importante neste momento para a formação das cotações no mercado nacional. Para o restante da safra velha os valores permanecem acima dos US$ 2,00 por bushel acima do mercado futuro americano. E para fevereiro de 2022, já como referência para a nova safra, são 45 cents de dólar. 

No interior do Brasil, parte das praças de comercialização apresentaram algum recuo, acompanhando o mercado cambial. Todavia, permanecem elevados os indicativos e, em alguns pontos do país, alinhados com a exportação ou pagando até melhor a depender das condições de pagamento e entrega, além da localização e do quadro regional de oferta e demanda. 

Os valores no mercado disponível ainda variam entre R$ 157,00 e R$ 171,00 por saca. 

BOLSA DE CHICAGO

Na Bolsa de Chicago, os futuros da soja terminaram o dia com altas de 11 a 11,50 pontos. O novembro terminou o pregão valendo US$ 12,74 e o maio, US$ 12,93. 

O mercado se volta aos seus fundamentos e recupera parte das últimas baixas registradas na sessão anterior, motivadas pela aversão ao risco intenso observada na sessão anterior. 

o mercado ainda acompanha os novos números que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) trouxe no final do dia de ontem, com os primeiros dados sobre a colheita norte-americana. 

Até o último domingo (19), 6% da área já havia sido colhida, contra 5% do mesmo período do ano passado e alinhada com a média dos últimos cinco anos de 6%. A expectativa média do mercado era de 5%. 

Além disso, o relatório ainda apontou uma ligeira melhora nos campos americanos. O índice de lavouras de soja em boas ou excelentes condições foi reportado pelo USDA em 58%, contra 57% da semana anterior. Há um ano, este número era de 63%. 

O plantio no Brasil e as condições de clima por aqui, o comportamento da demanda - e a China ainda no feriado - e mais o andamento dos preços dos derivados também estão no radar dos traders - com farelo e óleo subindo nesta tarde de terça-feira. Em alguns pontos do país, os trabalhos de campo foram paralisados diante da falta de chuvas. 

No financeiro, permanece a atenção também sobre as questões e os desdobramentos da incorporadora China Evergrande, mas com menos pessimismo e tensão do que na sessão anterior. As commodities agrícolas seguem em alta, à exceção do milho e do trigo, bem como sobem também os futuros do petróleo.

Por: Carla Mendes  

Foto Reprodução

Fonte: Notícias Agrícolas

Veja tambem

21/01/2022 | MILHO

Milho fecha a semana com B3 encostada nos R$ 100 e altas devem seguir ao longo do ano

Chicago sobe 3% ao longo da semana

17/01/2022 | MILHO E SORGO

Produção de milho do Brasil em 2021/22 é reduzida para 115,640 mi de t pela Safras & Mercado

A produção brasileira de milho em 2021/22 deverá atingir 115,640 milhões de toneladas, segundo a nova estimativa divulgada hoje por SAFRAS & Mercado. "O volume é inferior às 116,085 milhões de toneladas previstas em dezembro, mas ainda fica bem acima das

17/01/2022 | AGRONEGÓCIO

Produtores de soja do Brasil colhem 1,7% da área e chuvas afetam o trabalho

O governo estima que o Brasil tenha semeado uma área de soja de 40,3 milhões de hectares (99,58 milhões de acres) nesta temporada.

14/01/2022 | LOGÍSTICA E TRANSPORTE

COMÉRCIO EXTERIOR: Exportações do agronegócio batem recorde em dezembro e no ano de 2021

Em 2021, o total exportado com o agronegócio resultou em US$ 120,59 bilhões, alta de 19,7%

11/01/2022 | CAPACITAÇÃO

Sorriso recebe Fundação MT em Campo Safra com experimentos e vitrine de cultivares

O evento é o primeiro de três que vai acontecer em diferentes regiões de Mato Grosso, onde a equipe técnica da Fundação MT vai mostrar para produtores, agrônomos, técnicos e consultores do Estado pesquisas agronômicas com resultados inéditos e sequenciais

08/01/2022 | FUNDO DA OLEAGINOSA

AL vota lei que barra R$ 100 milhões por ano a Aprosoja de MT

Proposta enfrenta resistência e caminha para rejeição em plenário

30/12/2021 | SOJA

Quebra da haste da soja: Problema afeta lavouras de vários estados, mas pesquisadores ainda investigam causa

Em Lucas do Rio Verde/MT, o quadro já tira produtividade das primeiras lavouras colhidas

29/12/2021 | MILHO SAFRA

Futuros do milho encerram a 4ªfeira se sustentando em alta na B3

No mercado físico brasileiro, o preço da saca de milho também subiu neste meio de semana.

21/12/2021 | AGRONEGÓCIO

Preço de defensivos agrícolas e fertilizantes devem se manter em alta em 2022

O glifosato, herbicida mais usado no Brasil, está 23% mais caro em comparação a 2020. Já os derivados de amônia, a partir da transformação química do gás natural, que subiu mais de 550% em 12 meses

16/12/2021 | SOJA

Soja: Clima seco e muito quente castiga lavouras da AMS e Chicago fecha em alta nesta 5ª feira

13/12/2021 | SOJA

Área de soja convencional deve crescer na safra 2022/23 em Mato Grosso

Com mercado aquecido, prêmios atrativos e impacto dos custos de produção, Instituto Soja Livre espera adesão dos produtores rurais

06/12/2021 | SOJA

Brasil exporta em 3 dias de mais do que todo volume exportado em dez/20 e tem preços fortes