Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Siga-nos nas redes sociais:

Milho fecha a semana com B3 encostada nos R$ 100 e altas devem seguir ao longo do ano

Chicago sobe 3% ao longo da semana 21/01/2022 - 16:40:49

Os preços futuros do milho encerraram a sexta-feira (21) se sustentando levemente mais altos na Bolsa Brasileira (B3) e fechando a semana muito próximos dos R$ 100,00 a saca nos primeiros contratos.

O vencimento março/22 foi cotado à R$ 99,80 com alta de 0,51%, o maio/22 valeu R$ 97,30 com elevação de 0,50%, o julho/22 foi negociado por R$ 90,49 com valorização de 0,81% e o setembro/22 teve valor de R$ 89,85 com ganho de 0,37%.

Na comparação semanal, os contratos do cereal brasileiro acumularam elevações de 0,02% para o janeiro/22, de 0,55% para o março/22, de 1,88% para o maio/22, de 0,99% para o julho/22 e de 1,26% para o setembro/22, em relação à última sexta-feira (14).

variação semanal milho b3

Para o analista de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, o mercado do milho segue firme e sem a presença de vendedores com o mercado gaúcho sendo comprador já na faixa dos R$ 106,00 a saca.

“O mercado vai fechando a semana em alta dentro dos melhores níveis do ano e, mesmo em R4 106,00 não aparecem vendedores no Rio Grande do Sul. Com isso, a B3 já bate os R$ 100,00 e, até nas posições da safrinha já vai batendo os R$ 90,00, o que é mostra de que o mercado vai seguir em alta neste ano”, diz Brandalizze.

Na visão da SAFRAS & Mercado, o mercado brasileiro de milho seguiu com seu quadro de cotações firmes e em elevação nas principais praças de comercialização do país. “A oferta segue limitada e os compradores que aparecem no mercado em busca de milho têm de pagar mais caro para garantir seu abastecimento”.

O analista de SAFRAS & Mercado, Paulo Molinari, destaca que o foco agora é cada vez mais para a colheita e comercialização da soja. Isso acaba deixando o milho mais de lado, o que reduz mais a oferta do cereal e dá suporte às cotações. “O mercado está sem qualquer sintoma de baixa”, destaca Molinari.

No mercado físico brasileiro, o preço da saca de milho também subiu neste último dia da semana. O levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas não encontrou desvalorizações em nenhuma das praças pesquisadas, mas encontrou valorizações em Panambi/RS, Ponta Grossa/PR, Castro/PR, Itapetininga/SP, Campinas/SP e Porto de Santos/SP.

De acordo com o reporte diário da Radar Investimentos, “com mais áreas de soja colhidas no Centro-Sul brasileiro gradativamente tem surgido mais ofertas de milho no mercado físico. No entanto, as tentativas de venda dos produtores não tem convergido próximo ao preço que os consumidores têm a intenção de pagar em São Paulo”.

A análise da Agrifatto Consultoria acrescenta que, “a queda de braço no mercado físico do milho se intensifica, vendedores enxergam um cenário de preços favoráveis no futuro e optam por reter o grão. Com isso, os preços seguem firmes e em Campinas/SP onde a saca do cereal é comercializada na casa dos R$ 98,00/sc”.

Mercado Externo

Já os preços internacionais do milho futuro foram ganhando força ao longo do dia e encerraram a sexta-feira contabilizando movimentações positivas na Bolsa de Chicago (CBOT).

O vencimento março/22 foi cotado à US$ 6,16 com valorização de 5,25 pontos, o maio/22 valeu US$ 6,14 com elevação de 3,25 pontos, o julho/22 foi negociado por US$ 6,08 com alta de 2,00 pontos e o setembro/22 teve valor de US$ 5,78 com ganho de 2,25 pontos.

Esses índices representaram altas, com relação ao fechamento da última quinta-feira (20), de 0,82% para o março/22, de 0,66% para o maio/22, de 0,33% para o julho/22 e de 0,35% para o setembro/22.

Na comparação semanal, os contratos do cereal brasileiro acumularam valorizações de 3,36% para o março/22, de 2,85% para o maio/22, de 2,53% para o julho/22 e de 1,58% para o setembro/22, em relação à última sexta-feira (14).

variação semanal milho cbot

Segundo informações da Agência Reuters, o crescente interesse de exportação impulsionou o milho, que subiu depois de afundar durante os pregões noturnos.

“Estamos vendo muita movimentação de dinheiro nos mercados. É um assunto muito volátil e instável. Chegamos esta manhã e temos alguns negócios de exportação”, disse Greg Grow, diretor de agronegócios da Archer Financial Services em Chicago.

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) reportou que exportadores privados informaram a venda de 247.800 toneladas de milho para destinos desconhecidos. Separadamente, o departamento disse que as vendas semanais de exportação de milho foram de 1,196 milhão de toneladas, o que ficou perto do limite máximo das previsões de mercado.

Foto Reproduçao

Fonte: Notícias Agrícola / Por: Guilherme Dorigatti

Veja tambem

06/05/2022 | SOJA COLHEITA

Colheita gaúcha de soja atinge 74% da área, diz Emater-RS; chuvas danificam lavouras

Os trabalhos estão atrasados ante os 90% vistos em igual período do ciclo anterior e também abaixo dos 94% registrados na média histórica para este ano, segundo a empresa de assistência técnica e extensão rural

06/05/2022 | SOJA COLHEITA

Colheita gaúcha de soja atinge 74% da área, diz Emater-RS; chuvas danificam lavouras

Os trabalhos estão atrasados ante os 90% vistos em igual período do ciclo anterior e também abaixo dos 94% registrados na média histórica para este ano, segundo a empresa de assistência técnica e extensão rural

01/05/2022 | ZONA LIVRE

Mapa suspende vacinação da febre aftosa em Mato Grosso a partir de novembro

Suspensão faz parte do projeto de ampliação de zonas livres de febre aftosa sem vacinação no país e significa que o Estado está alinhado com as diretrizes do Código Terrestre da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE)

30/04/2022 | SOJA

Exportações do complexo soja pelo Porto de Paranaguá crescem 25% no 1º trimestre

As exportações do complexo soja pelo Porto de Paranaguá estão em alta

27/04/2022 | PLANEJAMENTO NO AGRO

Planejamento é a palavra mágica para o produtor se preparar diante do cenário global

Com a crise iniciada antes da pandemia e que agora eclodiu com o conflito Rússia-Ucrânia, as próximas safras de grãos devem ter o máximo de organização em função das menores margens de lucro e maior custo de produção

26/04/2022 | AGRONEGÓCIO

Custo de produção do algodão tem aumento expressivo, avalia Abrapa

A atual conjuntura global levou a uma elevação expressiva dos preços de matérias-primas essenciais para a produção do algodão brasileiro para a nova safra. O reflexo é sentido pelos produtores no aumento significativo dos custos de produção, que exige mai

08/04/2022 | SOJA - INDÍGENAS

Soja convencional é cultivada por indígenas do Chapadão do Parecis, em Mato Grosso

Estudo busca o licenciamento ambiental da região para que indígenas tenham mais possibilidades de captação de crédito e investimentos

19/03/2022 | ECONOMIA-AGRO

Exportações do agro alcançam US$ 10,5 bilhões em fevereiro de 2022

No acumulado no ano, as vendas externas do setor já somam US$ 19,3 bilhões

09/03/2022 | EXPORTAÇÕES MT 55,4% - 2O22

Exportações de Mato Grosso crescem 55,4% entre janeiro e fevereiro de 2022

Dentre os cinco produtos mais vendidos pelo Estado neste ano, a soja continua na 1ª posição com US$ 1,8 bilhão negociado, seguido do algodão, com US$ 520 milhões

05/03/2022 | AGRICULTURA FAMILIAR

Encontro técnico fomenta produção e comercialização da pitaya em Mato Grosso

A fruta possui um ótimo valor comercial e é uma oportunidade de negócio para produtores do Estado

22/02/2022 | MILHO E SORGO

Anec eleva previsão de exportação de soja e milho do Brasil em fevereiro

A Anec estimou a exportação de soja do Brasil em 7,2 milhões de toneladas, o que seria um novo recorde para o mês, 100 mil toneladas acima da previsão da semana anterior

21/02/2022 | CRÉDITO RURAL

Show Rural 2022: Sicredi registra mais de R$ 220 milhões em propostas protocoladas durante a feira

Com foco na sustentabilidade no campo, instituição financeira cooperativa protocolou, somente para projetos de energia solar, mais de 200 propostas de financiamento, resultando em um volume de negócios de economia verde de R$ 42,1 milhões