Siga-nos nas redes sociais:

Casos de homicídios em Aripuanã aumentam 367% após auge do garimpo ilegal

Crimes são ainda maiores, contudo, a subnotificação é presente em razão do temor daqueles que lá ficam de serem alvos de represálias em caso de denúncias 10/10/2019 - 16:43:31

A atividade de garimpo ilegal é responsável pelo aumento de casos de assassinatos em Aripuanã (1.200 km a Noroeste de Cuiabá), além do aumento da criminalidade de forma geral. Mesmo distante 14 km da sede do município, a zona urbana sentiu os reflexos pela vinda de milhares de pessoas para a Serra do Expedito, onde foi criada uma minicidade desorganizada, a partir de outubro de 2018, com cerca de três mil pessoas no local.

Antes disso, a atividade era mais discreta, embora ainda que ilegal, com lavra manual. Depois do boom, passou-se a promover a entrada de pessoas com maquinários pesados, causando danos ambiental e social graves. Também nesse período começaram a explodir casos de malária, de crimes, de roubos, homicídios, consumo de drogas, o que foi chamando a atenção.

De janeiro a agosto de 2018, Aripuanã teve registro de três homicídios, e no mesmo período de 2019 foram 11 casos registrados, de acordo com os dados da Coordenadoria de Estatísticas e Análise Criminal (CEAC) da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT).

Esses são os casos que chegaram ao conhecimento das autoridades competentes, fora os subnotificados, de toda a sorte de crime. O delegado municipal de Aripuanã, Henrique Espíndola, explica que a subnotificação é muito presente nessas localidades em razão do temor daqueles que lá ficam de serem alvos de represálias em caso de denúncias. Casos de tráfico de drogas, porte e posse ilegal de arma de fogos, menores em casas de prostituição, por exemplo, acabam nem chegando às autoridades competentes.

“O garimpo tem uma forma clandestina de organização e propicia que muitos delitos ocorram naquela localidade. Havia comércio de drogas e de produtos furtados e roubados e a dificuldade de deslocamento no local. Com certeza, o aumento dos casos de homicídio tem a ver com garimpo, tanto homicídios, tentativas de homicídios, quanto ameaças, na tentativa de um garimpeiro se sobrepor ao outro, conseguir melhor local para extração”, explicou.

O comandante adjunto do Comando Regional 8 (Juína) da Polícia Militar, tenente-coronel PM Alex Fontes Meira e Silva, disse que a preocupação é com a segurança pública em Aripuanã e reforça que o garimpo ilegal trouxe mais violência para o município.

“Ficou notório que em Aripuanã a atividade do garimpo trouxe reflexo direto na segurança pública. Posso dizer isso, pois há pouco tempo estava aqui como comandante da companhia de Aripuanã e vi todo esse processo ocorrer. Os índices de roubo aumentaram, ocorrências envolvendo arma de fogo que até então não eram uma realidade para esse município, passaram a ser mais frequentes”.

Com o fim da segunda fase da Operação Trype, nesta quarta-feira (09.10), após a conclusão da sentença judicial que determinava a cessação do garimpo ilegal e a destruição dos maquinários e das cavas, os policiais vão permanecer na cidade por prazo indeterminado para garantir a ordem pública.

Os garimpeiros têm culpado a mineradora pela ação policial e no segundo dia da operação chegaram a protestar em frente à sede da empresa, impedindo a saída dos funcionários e cortaram a energia do prédio. Foi necessária a atuação do delegado da Polícia Federal (PF), Carlos Henrique Dangelo, acompanhado por policiais federais, além de militares da Rotam e do Bope, para negociar com os revoltosos. Ninguém foi preso e até o fim da operação não houve registro de nenhuma ocorrência envolvendo o garimpo.

“Já fizemos planejamento para trabalho de varredura e não deixar que nada mais grave aconteça, que a revolta dessas pessoas não chegue a fatos graves. Vamos continuar na cidade até cessar estas ameaças”, garantiu o tenente-coronel PM Alex Meira e Silva.

Policiais da Rotam, Força Tática e Grupo de Operações Especiais, além de policias civis e militares da Região Integrada de Segurança Pública (Risp) de Juína vão reforçar o policiamento na região.

Fonte: Ass: Sesp-MT com Redação

Veja tambem

21/11/2019 | TRAFICO DE DROGAS

Membro do Comando Vermelho é preso pela PM por tráfico de drogas em Sinop

O acusado relatou ainda aos policiais que comprou a droga por R$ 16 mil, em Campo Grande (MS).

21/11/2019 | POLICIA

Droga e celular são localizados no raio azul da penitenciária Ferrugem

20/11/2019 | POLICIA

Cantor é esfaqueado durante show em lanchonete

A principal motivação seria fim do relacionamento que teria gerado ciúmes.

20/11/2019 | SINOP-MT

Polícia Militar e Secretaria de Meio Ambiente realizam ação em Chácara de Lazer

O resultado foi a condução até à Delegacia de Polícia, de três pessoas, apreenção de um carro, duas porções de cocaína e duas de maconha.

19/11/2019 | MISTÉRIO

Jovem de 25 anos some após desembarcar no aeroporto de VG

Thalina Silva falou com a mãe logo após o pouso e iria pegar um ônibus para o município de Vera

18/11/2019 | BR-163

PRF apreende 417 kg de maconha em veículo abandonado em Rondonópolis

O veículo estava abandonado no acostamento da rodovia. O motorista do automóvel não foi identificado

18/11/2019 |

Morre no hospital em Sinop 2ª vítima de acidente na BR-163 no Nortão; carro pegou fogo

14/11/2019 | ACIDENTE

Homem morre atropelado por moto na MT 140 em Santa Carmem

O acidente ocorreu aproximadamente a 5km do município

12/11/2019 | CLÁUDIA-MT

PM de Cláudia prende homem com moto furtada em Sinop

A prisão ocorreu na Av Marechal Zenóbio da Costa, no Centro daquele município.

12/11/2019 | SINOP-MT

Taxista de Sinop é preso pela FT com simulacro de revólver e munições

07/11/2019 | SINOP-MT

Sinop: Grupo Car apreende armas enterradas na Comunidade Vitória,

Além do armamento, foi apreendido uma placa de motocicleta furtada.

07/11/2019 | A CASA CAIU

Polícia descobre que homem esfaqueado em Sinop é procurado pela justiça do Paraná

Conforme apurado, em 2010 José Carlos foi preso por tráfico de drogas.