Siga-nos nas redes sociais:

A força feminina no sistema penitenciário mato-grossense

08/03/2018 - 19:32:55

Filha única. Pai e mãe falecidos. Solteira. Mãe de duas meninas, uma de seis e outra de oito anos, à procura de emprego para sustentar a família. Apesar do cenário difícil, Silvana Lopes, 28 anos na época, não desistiu. Decidida a ser a provedora do seu lar e lutar pela independência financeira, em 2000 ela se tornou agente penitenciária da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) e hoje integra um grupo de 2.174 agentes, sendo 676 mulheres.

Atualmente, com 46 anos de idade, a diretora da Cadeia Pública de Rondonópolis acredita que neste Dia Internacional da Mulher os desafios e a força de vencer não acabaram. Ao longo de sua vida ela sempre precisou ser valente. Teve que lutar contra o preconceito por ser mulher, solteira e mãe.

No sistema penitenciário Silvana lembra que também já passou por vários momentos bons e ruins. O mais marcante, segundo a diretora, foi nos primeiros 15 dias de trabalho, quando iniciou sua carreira na Penitenciária Major Eldo Sá Correa, em Rondonópolis. Ela foi refém por quatro dias durante uma rebelião na unidade penal. “Eu só pensava que ia morrer e nas minhas filhas”.

O resultado da rebelião deixou marcas que jamais serão esquecidas por Silvana: um joelho quebrado e cicatrizes das 12 chuçadas que levou. Após esse acontecimento, a agente teria um motivo para desistir: o medo. Com dor e fragilizada, alguns pensaram que ela iria voltar a ser dona de casa, sem emprego e com duas filhas para criar. “Mas eu ressurgir das cinzas. Fiquei mais forte ainda e determinada a continuar na profissão”, lembra.

Silvana é apenas uma das centenas de agentes penitenciarias que precisam deixar em casa a família para encarar um dia de trabalho bruto, com pessoas de histórico difícil em processo de reeducação. À frente da Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto, em Cuiabá, também tem um exemplo de mulher persistente. Ela se chama Elizabeth Ourive, 52, aposentada há sete meses após 31 anos atuando no sistema penitenciário.

Elizabeth é dedicada exclusiva e aceitou ser diretora da unidade. Ela lembra que quando iniciou a carreira sua família ficou preocupada. “Mas eu pensei, nós mulheres precisamos arregaçar a manga e sair pra luta. Se olharmos para os obstáculos não conseguiremos nem levantar o pé do lugar”, diz com firmeza.

Nas unidades, as agentes trabalham em torno dos problemas dos internos por isso algumas exercem tanto o lado emocional como o racional para não deixarem os dilemas de outros afetarem sua convivência familiar. “A partir do momento que os portões se fecham sabemos que dentro da penitenciária há vidas. Querendo ou não a gente acaba absorvendo a história das mães delas, dos filhos e dos maridos que as abandonam. Então, tentamos ajudar na medida do possível, nos solidarizar com a situação, porque, a final também somos mulheres”.

Adriana Silva Duarte Quinteiro, de 40 anos, é agente penitenciária, servidora da Sejudh há 18 anos, dos quais 11 está na direção da Cadeia Pública de Diamantino e quatro anos na Cadeia Pública Feminina de Nortelândia. Ela conta que a maior emoção é encontrar ex-recuperandos trabalhando, com família e reintegrados à sociedade. “Quando iniciamos o processo educacional, há alguns anos, tivemos dois deles que finalizaram os estudos, passaram para Direito e Pedagogia e hoje são muito agradecidos porque a partir da chance que tiveram puderam mudar de vida”.

Diferente da colega de trabalho Elisabeth, Adriana recebeu apoio da família quando resolveu fazer o concurso público. Na época já era casada e mãe, mas trabalhar na área despertava curiosidade e medo. Ser mulher foi um desafio ao adentrar no sistema penitenciário, mas ela tirou de letra as brincadeiras e chacotas e peitou a direção da cadeia masculina de Diamantino, o que causou indignação. “Não aceitavam o comando de uma mulher, mas eu provei que era possível e acabei permanecendo por muitos anos”.

Sobre a diferença de conduzir uma unidade feminina e masculina Adriana diz que do ponto de vista da prática profissional não existe, entretanto entende que as reeducandas exigem sim uma dose a mais de sensibilidade, pois como toda mulher, elas têm alterações hormonais, questões filosóficas, angústias que permeiam os relacionamentos. “Porém, o trabalho de ressocialização é o mesmo, a gente investe naquela pessoa independente do que ela cometeu lá fora, queremos que aproveite a oportunidade para mudar e enxergar uma nova realidade”.

Fonte: Sejudh/ MT Com Redação

Veja tambem

07/12/2018 | AUTONOMIA

Indígenas propõem soluções para valorização da floresta em pé

Em iniciativa inédita, os indígenas poderão acessar cerca de R$ 23 milhões em cinco anos para implantação de políticas socioambientais

05/12/2018 | OS ABUTRE'S

Membros do Abutre's Moto Clube serão jurados em concurso de desenho sobre motocicletas

A escolha dos melhores desenhos será realizada durante o lançamento do Natal Iluminado de Feliz Natal e devem compor um e-book

04/12/2018 | ACIDENTE

Caminhonete capota em rodovia e advogada é arremessada

Vítima foi socorrida e passará por cirurgia

03/12/2018 | ''FIM DOS PIRATAS''

Celular irregular será bloqueado a partir de sábado em MT e mais 09 estados

Os usuários já estão recebendo mensagens de SMS, informando que o aparelho irregular será bloqueado.

03/12/2018 | VOLUNTÁRIOS

Hospital de Câncer de MT promove ação para voluntários

O evento faz parte da comemoração do Dia Internacional do Voluntário, celebrado na data.

01/12/2018 | ENSINO SUPERIOR

Reeducandos de MT têm aulas de reforço para provas do Enem

As provas serão aplicadas nos dias 11 e 12 de dezembro, nas unidades, e mais de mil reeducandos estão inscritos para o exame.

26/11/2018 | Eleições OAB

Com 96% de aprovação chapa liderada por Eduardo Chagas vence em Sinop

Cerca de 74% dos eleitores aptos compareceram na subseção para votar

25/11/2018 | BRASIL MAIS DE 8 MIL VAGAS

Mais Médicos já tem 96,6% das vagas preenchidas, diz ministério

Profissionais recebem bolsa-formação no valor de R$ 11,8 mil e uma ajuda de custo inicial entre R$ 10 e R$ 30 mil para deslocamento

23/11/2018 | CASA AUROLA

Casa Aurora promove primeira ação de Black Friday

22/11/2018 | TCHÓ E BÉPPI

Tchó e Béppi abrem agenda 2019 com 50 shows confirmados

A dupla de MT que atende a todo o país com espetáculos de humor tem compromissos em festivais, dias de campo e apresentações em casas de shows.

22/11/2018 | HUMOR

Humoristas de São Paulo, Santa Catarina, Cuiabá, Sinop e Matupá confirmados no projeto MT Comedy em 2019

Em 2018 foram realizadas seis apresentações, o que motiva os realizadores a seguirem, promovendo a cultura e o entretenimento.

19/11/2018 | CRIME AMBIENTAL

Desmatamento ameaça áreas protegidas da Bacia do Rio Xingu

Área desmatada este ano equivale a 100 mil hectares de floresta