Siga-nos nas redes sociais:

Vale a pena adotar a Tarifa Branca de energia?

“É preciso conhecer muito bem a sua capacidade de mudar hábitos de consumo de energia”, explica especialista 07/01/2018 - 10:52:58

Quem quiser adotar a Tarifa Branca de energia que entrou vigor este ano para unidades que têm um consumo médio mensal acima de 500 kWh nas redes de baixa tensão (abrangendo basicamente residências e pequenas empresas) precisa ficar muito atento a alguns fatores, sob o risco de acabar pagando mais caro pela energia do que os valores cobrados na tarifa convencional.

Afinal, se a Tarifa Branca é mais barata nos horários de menor consumo, passa a ser bem mais cara nos horários de ponta, quando o consumo é maior, no início da noite. O alerta é da gestora Comerc Energia, que calculou qual seria a economia máxima na conta de luz em cada capital do Brasil, caso os consumidores adotassem a Tarifa Branca.

O primeiro fator a se levar em conta diz respeito ao local em que sua unidade consumidora está localizada. “As vantagens da Tarifa Branca variam muito de lugar para lugar, em função do preço de energia cobrado pela distribuidora local”, Marcelo Ávila, vice-presidente da Comerc Energia.

O segundo elemento a ser considerado, e tão importante quanto, diz respeito à capacidade de mudar hábitos, evitando ao máximo o consumo de energia nos horários de pico, quando o valor cobrado pela energia na Tarifa Branca é bem mais alto do que o cobrado nos horários de menor demanda.

Campeã nacional

Segundo os cálculos da Comerc Energia, há capitais, como Fortaleza, em que a diferença entre a tarifa convencional e a Tarifa Branca cobrada nos horários fora do horário de pico de consumo chega a 21%. Em São Paulo, por exemplo, essa diferença é menor, mas continua interessante: 13%. Já, em Manaus e em João Pessoa, mesmo se uma unidade de consumo desligar todos os seus aparelhos e iluminação no horário de ponta, o máximo que poderá economizar adotando a Tarifa Branca será de 6%. “Esses 6% valem todo esse esforço?”, pergunta-se Ávila. “Só o próprio consumidor poderá avaliar isso”, afirma ele.

“É preciso conhecer muito bem a sua capacidade de mudar hábitos de consumo de energia”, explica o executivo. Segundo ele, em uma casa só com adultos, é viável que todos concordem usar o chuveiro elétrico – um dos grandes vilões dos gastos residenciais de energia - antes ou depois do horário de ponta, que varia conforme a distribuidora local. Em São Paulo, ele se estende das 17h30 às 20h30. Em Belo Horizonte, das 17h às 20h. “Mas se a família tem crianças que dormem cedo, talvez não seja possível abrir mão do banho quente à noite”, exemplifica.

Pequenas empresas

O mesmo raciocínio vale para as pequenas empresas. “Um escritório que fecha às 18h pode, tranquilamente, adotar a Tarifa Branca, pois terá o maior benefício dessa opção, pagando mais barato pela energia que consome durante o dia. Já, uma lanchonete que está aberta até às 22h, e precisa manter ligados o ar condicionado e os fornos elétricos, acabará pagando mais caro caso opte pela nova modalidade de tarifa de energia”, detalha Ávila. “Afinal, qual padeiro quer perder o cliente por não dispor de um pão quentinho assado na hora, ainda que seja à noite?”, questiona.

A recomendação de Ávila é que cada consumidor faça uma simulação do seu consumo de energia. “Algumas distribuidoras já prometeram oferecer a seus clientes programas de simulação do preço da energia sob o regime da Tarifa Branca, baseados no histórico de consumo de cada unidade consumidora de energia”, informa. “Com essas informações à mão, a decisão será muito mais acertada”, conclui ele.

Fonte: NOTICIAS AO MINUTO

Veja tambem

15/12/2018 | FRIGORÍFICOS E ABATEDOUROS

Abate de frangos cai 3,8% no 3º trimestre ante 3º tri de 2017, diz IBGE

Segundo o órgão, agosto teve o segundo maior volume de cabeças abatidas, atrás apenas de janeiro

15/12/2018 | VENDA DIRETA

Fazenda defende venda direta de etanol do produtor para os postos

Ontem (13), um grupo de trabalho da ANP concluiu não haver impedimento regulatório para a venda direta de etanol.

14/12/2018 | ECONOMIA

Mudanças tributárias podem render R$ 52,6 bi em três anos

Em seu cenário fiscal básico para os próximos anos, o Ministério da Fazenda considerou ser possível arrecadar, com novas mudanças na tributação, R$ 16,4 bilhões em 2020, R$ 17,5 bilhões em 2021, R$ 18,7 bilhões em 2022 – um total de R$ 52,6 bilhões em trê

13/12/2018 | ABONO SALARIAL, PIS, PAGAMENTO, SEXTO LOTE

Começa hoje pagamento do sexto lote do Abono Salarial PIS de 2017

Benefício será concedido a 1,7 milhão de trabalhadores

11/12/2018 | COPOM REUNIÃO SELIC BC BANCO CENTRAL

Começa hoje reunião do Copom; expectativa é de manutenção da Selic

De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% em julho de 2015.

10/12/2018 | MERCADO FINANCEIRO, COTAÇÃO DO DÓLAR

Dólar tem quinta alta consecutiva e fecha o dia cotado a R$ 3,92

Índice B3 da Bovespa começa semana em baixa de 2,5%

09/12/2018 | ROYALTIES, PETRÓLEO

Queda do petróleo afetará pouco contas federais, diz especialista

Redução do preço internacional diminui pagamento de royalties

09/12/2018 | ECONOMIA APOSENTADORIA

INSS divulga datas para pagamento de benefícios

Novo calendário segue a sequência de anos anteriores, que antecipa em cinco dias úteis o início dos créditos para parte dos segurados com renda mensal de até um salário mínimo

09/12/2018 | SELIC BANCO CENTRAL

Copom realiza última reunião do ano, com expectativa de manter Selic

A expectativa de instituições financeiras é da taxa permanecer em 6,5%

07/12/2018 | ECONOMIA MOEDA AMERICANA

Dólar encerra semana em alta, valendo R$ 3,89

O dólar tem uma alta acumulada de 17,55% no ano

06/12/2018 | PETROBRAS REFINO PLANO DE NEGÓCIOS

Em novo plano, Petrobras focará no refino e redução de endividamento

Diretor diz ainda que plano é reflexo da estatal, e não de uma pessoa

04/12/2018 | DÓLAR BANCO CENTRAL BOVESPA

Dólar sobe e fecha em R$ 3,85, mesmo após intervenção do Banco Central

Depois de duas quedas seguidas, o dólar comercial registrou o maior fechamento em uma semana desde 27 de novembro.