Siga-nos nas redes sociais:

Vale a pena adotar a Tarifa Branca de energia?

“É preciso conhecer muito bem a sua capacidade de mudar hábitos de consumo de energia”, explica especialista 07/01/2018 - 10:52:58

Quem quiser adotar a Tarifa Branca de energia que entrou vigor este ano para unidades que têm um consumo médio mensal acima de 500 kWh nas redes de baixa tensão (abrangendo basicamente residências e pequenas empresas) precisa ficar muito atento a alguns fatores, sob o risco de acabar pagando mais caro pela energia do que os valores cobrados na tarifa convencional.

Afinal, se a Tarifa Branca é mais barata nos horários de menor consumo, passa a ser bem mais cara nos horários de ponta, quando o consumo é maior, no início da noite. O alerta é da gestora Comerc Energia, que calculou qual seria a economia máxima na conta de luz em cada capital do Brasil, caso os consumidores adotassem a Tarifa Branca.

O primeiro fator a se levar em conta diz respeito ao local em que sua unidade consumidora está localizada. “As vantagens da Tarifa Branca variam muito de lugar para lugar, em função do preço de energia cobrado pela distribuidora local”, Marcelo Ávila, vice-presidente da Comerc Energia.

O segundo elemento a ser considerado, e tão importante quanto, diz respeito à capacidade de mudar hábitos, evitando ao máximo o consumo de energia nos horários de pico, quando o valor cobrado pela energia na Tarifa Branca é bem mais alto do que o cobrado nos horários de menor demanda.

Campeã nacional

Segundo os cálculos da Comerc Energia, há capitais, como Fortaleza, em que a diferença entre a tarifa convencional e a Tarifa Branca cobrada nos horários fora do horário de pico de consumo chega a 21%. Em São Paulo, por exemplo, essa diferença é menor, mas continua interessante: 13%. Já, em Manaus e em João Pessoa, mesmo se uma unidade de consumo desligar todos os seus aparelhos e iluminação no horário de ponta, o máximo que poderá economizar adotando a Tarifa Branca será de 6%. “Esses 6% valem todo esse esforço?”, pergunta-se Ávila. “Só o próprio consumidor poderá avaliar isso”, afirma ele.

“É preciso conhecer muito bem a sua capacidade de mudar hábitos de consumo de energia”, explica o executivo. Segundo ele, em uma casa só com adultos, é viável que todos concordem usar o chuveiro elétrico – um dos grandes vilões dos gastos residenciais de energia - antes ou depois do horário de ponta, que varia conforme a distribuidora local. Em São Paulo, ele se estende das 17h30 às 20h30. Em Belo Horizonte, das 17h às 20h. “Mas se a família tem crianças que dormem cedo, talvez não seja possível abrir mão do banho quente à noite”, exemplifica.

Pequenas empresas

O mesmo raciocínio vale para as pequenas empresas. “Um escritório que fecha às 18h pode, tranquilamente, adotar a Tarifa Branca, pois terá o maior benefício dessa opção, pagando mais barato pela energia que consome durante o dia. Já, uma lanchonete que está aberta até às 22h, e precisa manter ligados o ar condicionado e os fornos elétricos, acabará pagando mais caro caso opte pela nova modalidade de tarifa de energia”, detalha Ávila. “Afinal, qual padeiro quer perder o cliente por não dispor de um pão quentinho assado na hora, ainda que seja à noite?”, questiona.

A recomendação de Ávila é que cada consumidor faça uma simulação do seu consumo de energia. “Algumas distribuidoras já prometeram oferecer a seus clientes programas de simulação do preço da energia sob o regime da Tarifa Branca, baseados no histórico de consumo de cada unidade consumidora de energia”, informa. “Com essas informações à mão, a decisão será muito mais acertada”, conclui ele.

Fonte: NOTICIAS AO MINUTO

Veja tambem

17/06/2018 | MERCADO FINANCEIRO

Com perdas de US$ 30 bi, indústria quer combater barreiras comerciais

CNI vai entregar sugestões sobre o tema a candidatos à Presidência

16/06/2018 | IMPORTAÇÃO

Importadoras alertam ANP que programa para diesel pode inviabilizar compras externas

Importadoras de combustíveis alertaram a agência reguladora do setor no Brasil (ANP) que o programa do governo de subsídios ao diesel, fruto de negociações para encerrar a gigantesca greve dos caminhoneiros, poderá inviabilizar compras externas do combust

16/06/2018 | ECONOMIA / MERCADO

Petrobras: produção média de petróleo cai 1,2% em maio

Desse total, 2,57 milhões boed foram produzidos no Brasil e 96 mil boed no exterior.

14/06/2018 | PIS/PASEP

Caixa e BB divulgam calendário de saques do PIS/Pasep

O pagamento das cotas deve injetar R$ 39,5 bilhões na economia, com impacto potencial no Produto Interno Bruto (PIB) na ordem de 0,55 ponto percentual.

12/06/2018 | MERCADO FINANCEIRO

Dólar opera em queda, abaixo de R$ 3,70, de olho no BC e nos EUA

Na véspera, moeda norte-americana subiu 0,45%, a R$ 3,7242 na venda

11/06/2018 | ECONOMIA LEVANTAMENTO

Datafolha: 72% dos brasileiros avaliam que economia do país piorou

Somente 6% dos 2.824 entrevistados disseram que o quadro econômico progrediu

10/06/2018 | MEGA-SENA

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 14 milhões na 4ª feira

As informações são do site da Caixa Econômica Federal.

09/06/2018 | CARTA FRETE

Caminhoneiros e ANTT voltam a discutir preços de fretes na segunda

Categoria se reunirá no fim de semana para debater ajustes na tabela

08/06/2018 | PRIMEIRO LOTE CONSULTA

Receita libera consulta a primeiro lote de restituição do IR 2018

O lote contempla também restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2017, informou a Receita Federal.

07/06/2018 | ECONOMIA / MERCADO

ANP não vai interferir na formação de preços de combustíveis

A formação de preços no Brasil é e continuará sendo livre.

06/06/2018 | ECONOMIA PREÇOS

Conta de energia deve subir 25,7% em um ano, aponta pesquisa

Dois aspectos principais: a adoção da bandeira vermelha patamar 2 pelo governo federal e os reajustes anuais das concessionárias de energias nos diversos estados

05/06/2018 | ECONOMIA / PETROBRAS

Conselho da Petrobras elege Ivan Monteiro para presidir empresa

Mandato vai até 26 de março de 2019, mesmo prazo dos demais diretores