Siga-nos nas redes sociais:

País pode acelerar crescimento em 2019 se começar ajuste no 1º semestre

Com juro e inflação baixos, mão de obra disponível e capacidade ociosa, há chance de que o País cresça além de seu potencial médio 07/10/2018 - 10:15:59

O Brasil escolhe hoje um novo presidente com um cenário favorável para o crescimento, ainda que a oportunidade tenha sido aberta por um quadro econômico perverso: dois anos de recessão profunda seguidos de outros dois de promessas frustradas. Com juro e inflação baixos, mão de obra disponível e capacidade ociosa, há chance de que o País cresça além de seu potencial médio - de cerca de 2% ao ano - a partir de 2019. Mas, para a recuperação não ficar de novo na intenção, economistas dizem que o novo ocupante do Palácio do Planalto tem uma tarefa urgente: definir a solução para o déficit fiscal já no primeiro semestre.

Endereçar medidas de corte de gastos que amenizem o rombo nas contas públicas - o que deve passar pela reforma da Previdência - é a única forma de tirar o setor produtivo do atual estado de torpor. "Todo mundo concorda que a agenda de reformas na área fiscal é essencial e daria ao País espaço para crescer", diz Mário Mesquita, economista-chefe do Itaú Unibanco. Parece simples, mas não é: as condições para a recuperação estão dadas desde 2017, mas tirar do papel a ideia de controle de gastos tem sido o desafio. Neste ano, as previsões para a expansão do PIB chegaram a 3%, mas agora estão em pouco mais de 1%.

Governo gasta 20% do Orçamento com pessoal

A chance de usar o pós-crise como alavanca de crescimento exige uma política econômica clara, diz Samuel Pessôa, pesquisador do Ibre/FGV. Ele vê a questão fiscal como prioridade zero. E, como a solução terá de passar por uma costura política habilidosa do novo presidente, ele recomenda que o trabalho comece a ser feito ainda em 2018, para que o País ganhe tempo precioso em 2019. "A verdade é que, nos últimos dois anos, os políticos resolveram fazer greve", diz Pessôa. "O Congresso quer se abster de arbitrar o conflito de distribuir riquezas e fazer o Estado brasileiro caber dentro da própria capacidade."

O cronômetro para que o presidente eleito apresente solução viável para as contas públicas será disparado assim que o resultado das urnas for revelado, reitera Simão Silber, professor da FEA/USP. E, ainda que o rombo do setor público não supere os R$ 120 bilhões este ano - abaixo da "meta negativa" de até R$ 163 bilhões -, o Planalto precisará dar um recado claro sobre a capacidade de pagar sua dívida antes de agosto do ano que vem, quando o Orçamento de 2020 deve seguir ao Congresso. "O primeiro semestre será decisivo para o Brasil."

É só a partir da solução de problemas estruturais que o País poderá ir além da recuperação do que a economia perdeu durante a recessão, afirma o economista Marcos Lisboa, presidente do Insper. "Hoje, o cenário de crescimento é, na realidade, a recuperação do que perdemos. A chance de ampliarmos o crescimento sustentável, ao longo de vários anos, é muito baixa." 

Fonte: NOTICIAS AO MINUTO

Veja tambem

19/12/2018 | PIB FGV AGROPECUÁRIA CONSTRUÇÃO

PIB cresce 1,2% no trimestre encerrado em outubro, diz FGV

Crescimento do comércio contribuiu para a expansão do Produto Interno Bruto

18/12/2018 | MERCADO FINANCEIRO

Desafios do comércio exterior

O Brasil precisa aumentar seu protagonismo na conjuntura mundial

17/12/2018 | INFLAÇÃO, SELIC, JUROS

Mercado mantém estimativa de inflação em 3,71% este ano

Para 2019, a projeção também não foi alterada em relação à semana passada: 4,07%.

15/12/2018 | FRIGORÍFICOS E ABATEDOUROS

Abate de frangos cai 3,8% no 3º trimestre ante 3º tri de 2017, diz IBGE

Segundo o órgão, agosto teve o segundo maior volume de cabeças abatidas, atrás apenas de janeiro

15/12/2018 | VENDA DIRETA

Fazenda defende venda direta de etanol do produtor para os postos

Ontem (13), um grupo de trabalho da ANP concluiu não haver impedimento regulatório para a venda direta de etanol.

14/12/2018 | ECONOMIA

Mudanças tributárias podem render R$ 52,6 bi em três anos

Em seu cenário fiscal básico para os próximos anos, o Ministério da Fazenda considerou ser possível arrecadar, com novas mudanças na tributação, R$ 16,4 bilhões em 2020, R$ 17,5 bilhões em 2021, R$ 18,7 bilhões em 2022 – um total de R$ 52,6 bilhões em trê

13/12/2018 | ABONO SALARIAL, PIS, PAGAMENTO, SEXTO LOTE

Começa hoje pagamento do sexto lote do Abono Salarial PIS de 2017

Benefício será concedido a 1,7 milhão de trabalhadores

11/12/2018 | COPOM REUNIÃO SELIC BC BANCO CENTRAL

Começa hoje reunião do Copom; expectativa é de manutenção da Selic

De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% em julho de 2015.

10/12/2018 | MERCADO FINANCEIRO, COTAÇÃO DO DÓLAR

Dólar tem quinta alta consecutiva e fecha o dia cotado a R$ 3,92

Índice B3 da Bovespa começa semana em baixa de 2,5%

09/12/2018 | ROYALTIES, PETRÓLEO

Queda do petróleo afetará pouco contas federais, diz especialista

Redução do preço internacional diminui pagamento de royalties

09/12/2018 | ECONOMIA APOSENTADORIA

INSS divulga datas para pagamento de benefícios

Novo calendário segue a sequência de anos anteriores, que antecipa em cinco dias úteis o início dos créditos para parte dos segurados com renda mensal de até um salário mínimo

09/12/2018 | SELIC BANCO CENTRAL

Copom realiza última reunião do ano, com expectativa de manter Selic

A expectativa de instituições financeiras é da taxa permanecer em 6,5%