Siga-nos nas redes sociais:

Dólar avança para R$ 3,60 em dia ruim para emergentes; Bolsa cai 0,75%

Semana do dólar foi balizada pela expectativa de aumento de juros nos EUA, motivada pela valorização do petróleo no exterior após o país decidir deixar o acordo nuclear com o Irã 11/05/2018 - 18:47:22

A preocupação dos investidores com um aumento adicional de juros nos Estados Unidos provocou alta de 2,2% do dólar nesta semana e levou a moeda americana a fechar cotada em R$ 3,60 nesta sexta-feira (11).

O cenário eleitoral também voltou a pesar, em meio à expectativa pela divulgação de novas pesquisas nos próximos dias, as primeiras após o ex-ministro Joaquim Barbosa desistir de concorrer à Presidência.

O dólar comercial subiu 1,52%, para R$ 3,600. É o maior nível desde 31 de maio de 2016, quando fechou a R$ 3,614. Na semana, a valorização foi de 2,16%, e nas três semanas em que as turbulências internacionais afetaram a moeda, a alta acumulada foi de 5,5%.

O dólar à vista, que fecha mais cedo, subiu 1,28%, para R$ 3,593 -alta de 2,1% na semana e de 5,4% em três semanas.

A Bolsa brasileira fechou em baixa de 0,75%, para 85.220 pontos. O volume financeiro de R$ 13,146 bilhões, ante média diária de R$ 12,4 bilhões em maio.

A semana do dólar foi balizada pela expectativa de aumento de juros nos Estados Unidos, motivada pela valorização do petróleo no exterior após o país decidir deixar o acordo nuclear com o Irã.

O barril do Brent, negociado em Londres e referência internacional, avançou 2,9% na semana, para US$ 77. O WTI, dos Estados Unidos, subiu 1,2%, para US$ 70,5.

Esse aumento elevou os rendimentos pagos pelos títulos de dívida americana com vencimento em dez anos, que bateram 3% ao ano. Os papéis, considerados praticamente livres de risco, atraem investidores com dinheiro aplicado em Bolsa e em países emergentes, o que contribui para a valorização do dólar.

Das 31 principais moedas do mundo, 18 perderam força em relação ao dólar na semana. A maior desvalorização foi do peso argentino, com queda de 8,7% -o país vizinho mergulhou numa crise cambial por uma combinação de perspectiva de aumento de juros nos EUA e vulnerabilidade econômica.

O real foi a segunda maior desvalorização, seguido pela lira turca (-1,89%) e pelo peso mexicano (-0,94%).

O temor foi, em termos, dissipado com dados mais fracos de inflação nos Estados Unidos na quinta-feira. Mas, nesta sexta, o fator eleições voltou a pesar.

A expectativa da divulgação das primeiras pesquisas eleitorais após Joaquim Barbosa desistir de concorrer às eleições causou volatilidade no mercado nesta sessão, diz Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora.

"O investidor está mais receoso, está se protegendo como pode. Ele não vê uma aversão a risco-país, é risco-mundo", diz.

O Banco Central vendeu a oferta de até 8.900 contratos em swaps cambiais tradicionais (equivalentes à venda de dólares no mercado futuro). Até agora, já rolou US$ 3,115 bilhões dos US$ 5,650 bilhões que vencem em junho.

O CDS (credit default swap, espécie de termômetro de risco-país) subiu 0,08%, para 184,9 pontos.

No mercado de juros futuros, os contratos mais negociados subiram. O DI para julho deste ano avançou de 6,215% para 6,225%. O DI para janeiro de 2019 se manteve estável em 6,260%.

AÇÕES

O dia foi de fortes altas e baixas no Ibovespa.

Na ponta positiva, as ações da EDP subiram 15,56%, em resposta à oferta da estatal chinesa China Three Gorges pelo controle da EDP (Energias de Portugal), controladora da companhia. A chinesa ofereceu um prêmio de quase 5% sobre o preço de fechamento das ações da elétrica.

A Natura se valorizou 14,65%, mesmo com a queda de 87% no lucro no primeiro trimestre. Analistas elevaram a recomendação para as ações da empresa, por causa da expansão internacional.

Na ponta negativa, Kroton perdeu 15,21% e a Estácio se desvalorizou 9,90%. A empresa teve queda de 6,6% no lucro no primeiro trimestre, para R$ 539 milhões, com aumento no número de formandos pressionando a base total de alunos.

As ações da Petrobras tiveram resultados mistos, mas a empresa se manteve como a mais valiosa da América Latina. Os papéis preferenciais caíram 1,20%, para R$ 25,44. Os ordinários subiram 0,38%, para R$ 28,95.

A mineradora Vale teve ganho de 2,39%, para R$ 52,63.

No setor financeiro, as ações do Itaú Unibanco caíram 1,60%. Os papéis preferenciais do Bradesco recuaram 1,79%, e os ordinários tiveram baixa de 2,17%. O Banco do Brasil teve baixa de 0,47%, e as units -conjunto de ações- do Santander Brasil se desvalorizaram 1,59%. 

Fonte: NOTICIAS AO MINUTO

Veja tambem

15/10/2018 | ECONOMIA PEDIDOS

Aposentadoria automática por idade no INSS já chega a 17,3% do total

Há cinco meses, quem pede a aposentadoria por idade não precisa mais ir até uma agência do Instituto Nacional do Seguro Social

12/10/2018 | BRASIL

Comércio internacional: Em setembro, vendas externas do setor somam mais de US$ 8 bilhões

O saldo no setor foi superavitário em US$ 7,1 bilhões

11/10/2018 | INFLAÇÃO DA TERCEIRA IDADE PESQUISA FGV

Inflação da terceira idade é de 0,69% no terceiro trimestre

A principal contribuição para a queda da taxa do segundo para o terceiro trimestre deste ano partiu do grupo alimentação, que passou de 2,50% para -1,57%.

10/10/2018 | ECONOMIA ARGENTINA

Economia argentina voltará a crescer em 2019, diz ministro

09/10/2018 | ECONOMIA MERCADO

Dólar fecha perto dos R$ 3,70 após três pregões de queda

Moeda americana recuou 1,46%

09/10/2018 | ECONOMIA

Ibovespa futuro sobe quase 5% após desempenho forte de Bolsonaro em 1º turno da eleição

Por volta das 09:15, o contrato do Ibovespa que vence no próximo dia 17 subia 4,86 por cento, a 86.825 pontos

07/10/2018 | ECONOMIA PROJEÇÃO

País pode acelerar crescimento em 2019 se começar ajuste no 1º semestre

Com juro e inflação baixos, mão de obra disponível e capacidade ociosa, há chance de que o País cresça além de seu potencial médio

06/10/2018 | ECONOMIA NEGÓCIOS

Petrobras volta a vender gasolina mais barata que exterior

Setembro teve maior período de estabilidade desde que a estatal autorizou reajustes diários

06/10/2018 | CRÉDITO RURAL

Crédito rural com taxa pós-fixada é tendência no médio prazo, diz DLL

Com melhorias gradativas na economia brasileira, as linhas com juros pós-fixados devem se tornar mais atrativas para os produtores

05/10/2018 | ECONOMIA / FRANQUIAS EMPREGO DESEMPREGO

Franquias de alimentação crescem 8,1%, diz associação

O segmento da culinária asiática teve um desempenho ainda melhor, registrando expansão de 9% no período.

04/10/2018 | ECONOMIA DINHEIRO

Dólar avança e Bolsa cai após dois dias de euforia com pesquisas

A moeda americana passou boa parte do pregão acima dos R$ 3,90

04/10/2018 | TELEFONIA MÓVEL

Porto Seguro vai encerrar atividades no segmento de telefonia celular

Operadora TIM vai assumir a base de clientes