Siga-nos nas redes sociais:

Caixa fecha agências e vende imóveis de olho em lucro de R$ 9 bilhões

Serão encerradas atividades de cerca de 100 agências cujas operações são consideradas insustentáveis ou aquelas em endereços muito próximos 15/05/2018 - 07:59:25

MAELI PRADO E JULIO WIZIACK - A Caixa aprovou uma meta de lucro para 2018 de R$ 9 bilhões, resultado que será alcançado graças a um corte de custos operacionais de R$ 2,6 bilhões. Boa parte desse enxugamento virá do fechamento de agências. Serão encerradas as atividades de cerca de 100 agências cujas operações são consideradas insustentáveis ou aquelas que disputam clientes em endereços muito próximos.

 

Com isso, o banco passará a possuir 4,1 mil agências, segundo pessoas que participam das conversas. A meta foi aprovada pelo conselho de administração da instituição, que se reuniu na última quinta-feira (10).

A mudança de curso na Caixa rumo à profissionalização do banco será um dos temas de evento que a instituição organizará no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, nesta quarta-feira (16). O encontro reunirá 6 mil gerentes de todo o país, com show de axé e o ex-jogador de futebol Cafu como palestrante motivacional, como mostrou reportagem da Folha de S.Paulo.

A ideia é transmitir aos gestores que a instituição, daqui para a frente, terá que atuar com uma independência maior do governo federal. Para isso, o banco precisa ser eficiente e estar atento a riscos e retorno das operações. A nova postura começa a incomodar funcionários.

A Fenae (federação das associações de pessoal da Caixa) divulgou nota de repúdio ao que classificou como "desmonte" da instituição financeira. "Se debater medidas que significam o enfraquecimento da Caixa é inadmissível, fazê-lo em um megaevento financiado com dinheiro público chega a ser deboche", afirmou a entidade em nota.

Na mesma linha de redução de custos, a Caixa também aprovou o compartilhamento de compras e serviços com outras instituições financeiras públicas, como o Banco do Brasil e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). A avaliação no conselho do banco é que essas medidas são necessárias para corrigir os indicadores de eficiência da Caixa, que estão abaixo do restante do mercado.

Recente auditoria do TCU (Tribunal de Contas da União), por exemplo, mostrou que a Caixa melhorou sua taxa de recuperação de empréstimos em atraso quando foi impedida pelo órgão de vender carteiras de crédito. O tribunal tinha identificado que o banco desistia de cobrar dívidas onde ainda havia grande possibilidade de recebimento pela Caixa. Mas a instituição preferia vender esse crédito para outras empresas especializadas em cobrança.

Essa restruturação é parte de um processo maior para reforçar a musculatura do banco, que teve início no final do ano passado, com a aprovação de um novo estatuto que ampliou os poderes do conselho de administração. Além de redução de custos, esse processo envolve também medidas para aumentar o capital do banco e atender a exigências internacionais de solidez bancária. Para isso, várias medidas foram aprovadas pelo conselho. Entre elas, a retenção de lucros, ou seja, o pagamento de apenas 25% do lucro na forma de dividendos à União nos próximos dois anos.

Também se bateu o martelo na venda de imóveis próprios, em uma medida que deve gerar outros R$ 500 milhões. Com o novo estatuto, que foi aprovado com aval do presidente da República, o conselho da Caixa ganhou mais poderes e, agora, tenta evitar que o próprio presidente da República, Michel Temer, interfira demais na gestão do banco. A controvérsia do momento envolve a capitalização do banco por meio de operações de financiamento com recursos do FGTS para projetos habitacionais e de infraestrutura do Ministério das Cidades.

Temer consultou o banco para saber se esses empréstimos poderiam ser feitos mas, pelo novo modelo de gestão, as operações só serão conduzidas se passarem pelo teste de "risco e rentabilidade". Pelo novo modelo, nenhum negócio que comprometa o resultado será aprovado. A Caixa está, inclusive, implementando um sistema que avalia, com base em indicadores de risco e retorno, se uma operação deve ou não ser feita.

Fonte: NOTICIAS AO MINUTO

Veja tambem

20/08/2018 | ECONOMIA MERCADO FINANCEIRO

Dólar ultrapassa R$ 3,97 com nervosismo por pesquisas eleitorais

Siderúrgicas mantêm Ibovespa em leve alta, alinhado com exterior

20/08/2018 | SEM POLUIÇÃO

Brasil pode usar energia solar em motores de embarcações

Além de diminuírem a emissão de gases, esses motores são menos poluentes.

19/08/2018 | ECONOMIA DESAFIOS

Saiba qual cenário econômico espera o próximo presidente

Rombo nas contas públicas, baixo crescimento do PIB e altas taxas de desemprego preocupam

18/08/2018 | TETO DE GASTOS PRODUTORES RURAIS

Aumento de benefícios a produtor rural pode ser vetado, diz secretário

A arrecadação de julho foi "muito boa", mas o orçamento federal continua limitado pela regra do teto de gastos

17/08/2018 | APLICATIVO PROCESSOS DIGITAIS

Receita Federal lança aplicativo para consulta de processos

A ferramenta também permite receber alertas em tempo real sobre o andamento de processos.

16/08/2018 | ECONOMIA / CONTA DE LUZ PREÇO JUSTO

Ministro volta a defender preço "justo" nas contas de luz

Ministro volta a defender preço "justo" nas contas de luz

15/08/2018 | AGRO INDUSTRIAL

Mato Grosso: Abate de gado cresce 7,45%

O Indea Mato Grosso divulgou, semana passada, os dados de abate dos bovinos mato-grossenses

15/08/2018 | IMPOSTO DE RENDA IR RECEITA

Contribuinte que está no 3º lote do IR 2018 recebe hoje restituição

O lote inclui restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2017.

14/08/2018 | ECONOMIA LIRA TURCA

Entenda a crise da moeda turca e como ela afeta o Brasil

Lira turca se recupera e dá alívio a emergentes; dólar recua para R$ 3,87

14/08/2018 | PIS/PASEP COTAS SAQUE

Trabalhadores de todas as idades já podem sacar cotas do Pis/Pasep

O prazo ficará aberto até 28 de setembro.

13/08/2018 | ECONOMIA DIREITO

PIS/Pasep começa a ser liberado aos mais jovens nesta terça-feira

Benefício está disponível para pessoas que trabalharam de 1971 a 1988 com a carteira assinada

13/08/2018 | BRASIL

Guerra comercial entre potências econômicas pode apresentar riscos ao agronegócio brasileiro a longo prazo

Avaliação foi debatida no Congresso Brasileiro do Agronegócio, promovido pela ABAG - Associação Brasileira do Agronegócio e B3 - Brasil Bolsa Balcão nesta segunda (6/8), em São Paulo