Siga-nos nas redes sociais:

Brasil recebe certificação de país livre da febre aftosa com vacinação

A maioria dos estados brasileiros já tinha o reconhecimento de zona livre da aftosa com vacinação. 24/05/2018 - 08:49:19

Depois de mais de 50 anos de trabalho na erradicação e prevenção da febre aftosa nos rebanhos, o Brasil recebe hoje (24) a certificação de país livre da doença com vacinação, da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). As ações, compartilhadas entre os governos federal e estaduais e o setor privado, incluem a vacinação nos pastos, a vigilância nas fronteiras e a estruturação da rede laboratorial do país.

A maioria dos estados brasileiros já tinha o reconhecimento de zona livre da aftosa com vacinação. Agora, com o novo status sanitário, a comercialização de carnes e animais vivos será facilitada tanto dentro quanto fora do país. “Isso mostra que o país, com um dos maiores rebanhos do mundo, tem se preocupado com as questões sanitárias. Isso passa mais credibilidade e segurança a compradores”, disse o superintendente técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Bruno Lucchi.

Segundo ele, a certificação de país livre de aftosa pode, inclusive, agregar valor a outros setores, como o da suinocultura. “Não temos o mesmo risco [de outros países onde o vírus da febre aftosa circula], isso agrega valor muito grande às exportações, os mercados pagam bem melhor. Temos o ganho direto e o indireto”, explicou.

A diretora-geral da OIE, Monique Eloit, entregará o certificado sanitário ao ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, na sede da organização em Paris, durante a 7ª Sessão Plenária da instituição. A Comissão Científica da OIE aprovou a certificação do Brasil em 2017, mas os 181 países integrantes da organização oficializam a decisão nesta quinta-feira.

No último domingo (20), Maggi discursou na abertura oficial da 86ª Sessão Geral da OIE. Ele disse que o reconhecimento do Brasil como país livre da aftosa com vacinação é “a vitória de uma longa e dura trajetória de muita dedicação de pecuaristas e do setor veterinário oficial”.

O Brasil iniciou o combate organizado à febre aftosa ainda na década de 60, por meio de campanhas de vacinação. “Naquela época, a doença se manifestava de forma endêmica, com milhares de focos por ano. Era um verdadeiro caos sanitário”, disse o ministro no discurso.

A partir da década de 90, as estratégias de combate à doença passaram do controle para a erradicação, com a implantação do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (Pnefa), que previu a ampla participação do setor privado e a regionalização no combate a doenças, entre outras ações.

A última ocorrência de febre aftosa no Brasil foi em 2006, no Paraná e em Mato Grosso do Sul, na região de fronteira com o Paraguai. Em 2007, Santa Catarina recebeu o reconhecimento da OIE como livre de febre aftosa sem vacinação. Esse é o próximo status a ser buscado pelo país: gradativamente, retirar a vacinação do rebanho até 2023, para que, até 2026, haja a certificação internacional pela OIE, de país livre de aftosa sem vacinação.

Para Bruno Lucchi, da CNA, toda a cadeia pecuária brasileira tem ciência do compromisso sanitário. “O produtor rural, ele mesmo já tem internalizado a importância de ter uma condição sanitária melhor. E quem arca com o custo de vacinar o gado é o produtor”, disse. 

O vírus da febre aftosa é altamente contagioso. O animal afetado apresenta febre alta, que diminui depois de dois ou três dias. Em seguida, aparecem pequenas bolhas que se rompem, causando ferimentos. O animal deixa de andar e comer e, no caso de bezerros e animais mais novos, pode até morrer. A doença é causada por um vírus, com sete tipos diferentes, que pode se espalhar rapidamente, caso as medidas de controle e erradicação não sejam adotadas logo após sua detecção. 

O vírus está presente em grande quantidade nas feridas e também pode ser encontrado na saliva, no leite e nas fezes dos animais. A transmissão pode ocorrer por contato direto com outros animais infectados ou por alimentos e objetos contaminados. Calçados, roupas e mãos das pessoas que lidaram com animais doentes também podem transmitir o vírus, que é capaz de sobreviver durante meses em carcaças congeladas.

Fonte: Ag Brasil

Veja tambem

20/08/2018 | ECONOMIA MERCADO FINANCEIRO

Dólar ultrapassa R$ 3,97 com nervosismo por pesquisas eleitorais

Siderúrgicas mantêm Ibovespa em leve alta, alinhado com exterior

20/08/2018 | SEM POLUIÇÃO

Brasil pode usar energia solar em motores de embarcações

Além de diminuírem a emissão de gases, esses motores são menos poluentes.

19/08/2018 | ECONOMIA DESAFIOS

Saiba qual cenário econômico espera o próximo presidente

Rombo nas contas públicas, baixo crescimento do PIB e altas taxas de desemprego preocupam

18/08/2018 | TETO DE GASTOS PRODUTORES RURAIS

Aumento de benefícios a produtor rural pode ser vetado, diz secretário

A arrecadação de julho foi "muito boa", mas o orçamento federal continua limitado pela regra do teto de gastos

17/08/2018 | APLICATIVO PROCESSOS DIGITAIS

Receita Federal lança aplicativo para consulta de processos

A ferramenta também permite receber alertas em tempo real sobre o andamento de processos.

16/08/2018 | ECONOMIA / CONTA DE LUZ PREÇO JUSTO

Ministro volta a defender preço "justo" nas contas de luz

Ministro volta a defender preço "justo" nas contas de luz

15/08/2018 | AGRO INDUSTRIAL

Mato Grosso: Abate de gado cresce 7,45%

O Indea Mato Grosso divulgou, semana passada, os dados de abate dos bovinos mato-grossenses

15/08/2018 | IMPOSTO DE RENDA IR RECEITA

Contribuinte que está no 3º lote do IR 2018 recebe hoje restituição

O lote inclui restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2017.

14/08/2018 | ECONOMIA LIRA TURCA

Entenda a crise da moeda turca e como ela afeta o Brasil

Lira turca se recupera e dá alívio a emergentes; dólar recua para R$ 3,87

14/08/2018 | PIS/PASEP COTAS SAQUE

Trabalhadores de todas as idades já podem sacar cotas do Pis/Pasep

O prazo ficará aberto até 28 de setembro.

13/08/2018 | ECONOMIA DIREITO

PIS/Pasep começa a ser liberado aos mais jovens nesta terça-feira

Benefício está disponível para pessoas que trabalharam de 1971 a 1988 com a carteira assinada

13/08/2018 | BRASIL

Guerra comercial entre potências econômicas pode apresentar riscos ao agronegócio brasileiro a longo prazo

Avaliação foi debatida no Congresso Brasileiro do Agronegócio, promovido pela ABAG - Associação Brasileira do Agronegócio e B3 - Brasil Bolsa Balcão nesta segunda (6/8), em São Paulo