Siga-nos nas redes sociais:

Brasil negocia cota maior para aço com os EUA

Segundo fontes do governo, essa é uma das poucas alternativas que restam, depois que os americanos colocaram apenas duas alternativas sobre a mesa: cota ou sobretaxa 02/05/2018 - 07:33:54

O governo brasileiro avalia negociar com os Estados Unidos alterações no cálculo das cotas de exportação de aço e alumínio para diminuir prejuízos ao comércio por causa das sobretaxas de 25% sobre o aço e de 10% sobre o alumínio anunciadas em março. Segundo fontes do governo, essa é uma das poucas alternativas que restam, depois que os americanos colocaram apenas duas alternativas sobre a mesa: cota ou sobretaxa.

As duas opções são consideradas ruins pelo governo e pelo mercado. A cota é uma forma de limitar as exportações estabelecendo volumes máximos a serem embarcados para os EUA. Já a sobretaxa eleva o valor pago pelo importador americano, o que pode inviabilizar as vendas para aquele mercado. O Brasil vinha defendendo, nas negociações, que não deveria sofrer nenhum tipo de restrição no comércio dos dois produtos. O principal argumento é que 80% do aço exportado para os EUA é semiacabado, ou seja, insumo para a indústria local. Os negociadores vinham nessa queda de braço até que, na última sexta-feira, os americanos avisaram que não havia mais tempo para negociação e que o País precisaria escolher entre cota ou sobretaxa. No fim da noite de segunda-feira, quando terminou o prazo dado por ele próprio para a conclusão das negociações com os países afetados pela sobretaxa, o presidente Donald Trump disse que havia fechado um acordo "em princípio" com o Brasil e que seriam necessários mais alguns dias para negociar detalhes.

Muito provavelmente, Trump se referia às cotas que eles propuseram ao Brasil e sobre as quais não tiveram resposta positiva. Mas, fora desse cardápio, aparentemente não há muitas opções, admitem fontes. Uma possibilidade seria questionar a medida norte-americana na Organização Mundial do Comércio (OMC). Não há decisão de governo quanto a isso.

"Precisamos esperar para ver como fica", disse ontem ao Estado o presidente da Associação Brasileira do Alumínio (Abal), Milton Rego. Ele confirmou que havia as duas opções sobre a mesa, mas não está seguro sobre o que acontecerá, agora que os Estados Unidos decidiram prorrogar o prazo das negociações.

No caso do setor de alumínio, a proposta americana era uma cota baseada na média das exportações dos últimos cinco anos. Esse volume, disse o executivo, não é suficiente nem para cumprir as vendas que já foram contratadas para este ano. Além disso, a cota proposta por eles é do tipo "hard", além da qual não se pode exportar mais nada. Por isso, segundo fontes, o setor tendia a optar pela sobretaxa. Rego não confirmou. Ele prefere esperar para ver se haverá alguma alteração na proposta americana.

Posição

Para o aço, a sobretaxa de 25% praticamente inviabiliza as vendas, segundo declarou várias vezes o presidente executivo do Instituto Aço Brasil, Marco Polo Mello Lopes. A entidade só deve se posicionar sobre o caso hoje. Também hoje, os ministérios das Relações Exteriores e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços deverão divulgar nota conjunta.Fontes ligadas ao governo informaram que, no caso dos produtos siderúrgicos, as cotas serão calculadas sobre a média exportada de 2015, 2016 e 2017, anos que foram ruins para o comércio exterior. Ou seja, são cotas baixas.

É nesse ponto que os técnicos acreditam haver espaço para negociação. Enquanto o Brasil ainda avalia o que fazer, a Argentina anunciou haver alcançado um acordo definitivo com os Estados Unidos, segundo o jornal Clarín. Ela ficará livre das sobretaxas, mas observará cotas para suas exportações. Porém, diferente do que ocorreu com a Coreia, que aceitou cotas cujo resultado foi um corte nas vendas de 30%, a Argentina diz ter conseguido uma cota de 180 mil toneladas de aço, 35% superior à média dos últimos três anos. Para alumínio, serão 130 mil toneladas, o que corresponde à média dos últimos três anos.

Fonte: NOTICIAS AO MINUTO

Veja tambem

20/01/2019 | ECONOMIA BLOCO COMERCIAL

Bolsonaro quer despolitizar Mercosul e reduzir taxa de importação

Não ficará no radar do Mercosul avançar em direção a uma moeda comum ou qualquer inovação que comprometa a independência dos países

19/01/2019 | BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO B3 IBOVESPA

Bolsa fecha semana em alta e índice de desempenho bate recorde

Dólar encerra período com valorização de 0,23%

18/01/2019 | MERCADO FINANCEIRO

Índices acionários chineses têm 3ª semana de ganhos com otimismo comercial

Os índices acionários chineses fecharam em alta nesta sexta-feira, registrando a terceira semana consecutiva de ganhos, impulsionados pelas expectativas de que Pequim e Washington possam fechar um acordo para encerrar a guerra tarifária entre os dois país

17/01/2019 | SUÍNOS

Suínos: Exportação e custo menor podem garantir ano mais positivo

Depois de atravessar um 2018 desafiador, o setor suinícola está mais otimista, à espera de uma recuperação em 2019

17/01/2019 | ECONOMIA PAGAMENTO

Pis/Pasep começa a ser pago hoje

A partir de hoje (17), trabalhadores da iniciativa privada podem procurar a Caixa Econômica Federal

17/01/2019 | ECONOMIA CONTAS

Estados fazem pressão por socorro federal

A sede do Ministério da Economia recebeu ontem uma romaria de governadores pedindo ajuda da União para equilibrar suas contas

16/01/2019 | PRODUÇÃO TOTAL DE PETRÓLEO E GÁS, BOED

Produção total de petróleo e gás da Petrobras atinge meta para 2018

A Petrobras identificou entre os principais destaques da produção em 2018 a entrada em operação de quatro novos sistemas de produção:

15/01/2019 | PREÇOS AGROPECUÁRIOS

Saiba como montar um desidratador de alimentos de baixo custo

A desidratação pode ser feita em frutas, plantas medicinais, ervas aromáticas, condimentos, legumes e tubérculos

14/01/2019 | Política Economia

Índices chineses fecham em queda com dados comerciais fracos

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, recuou 0,87 por cento, enquanto o índice de Xangai teve queda de 0,71 por cento.

13/01/2019 | ECONOMIA BRADESCO

Banco testa empréstimo online para quem não é correntista

A startup possui um aplicativo que permite que consumidores procurem empréstimo e outros serviços financeiros

12/01/2019 | ANÁLISE DE MERCADO

Puxados pelo agronegócio, só MT e mais cinco estados devem superar pior recessão da história

Mato Grosso está na lista dos seis estados brasileiros que devem superar os índices da maior recessão da história do País

11/01/2019 | BRASIL

Banco Mundial reduz projeção para PIB brasileiro em 2019

O Banco Mundial (Bird) reduziu as previsões de crescimento do Brasil de 2018 e para este ano