Siga-nos nas redes sociais:

Bolsonaro deve prorrogar auxílio de R$ 300 por mais 4 meses

Ao definir pela prorrogação da ajuda, governo decide deixar para um segundo momento o Renda Brasil 29/08/2020 - 21:34:24

O governo deve prorrogar o auxílio emergencial até dezembro deste ano, com quatro parcelas de R$ 300, valor defendido pelo presidente Jair Bolsonaro, segundo apurou o Estadão com fontes das alas política e econômica do governo.

O anúncio do Renda Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família e será a marca social do governo Bolsonaro, ficará para um segundo momento para que o ministro da Economia, Paulo Guedes, tenha mais tempo para encontrar espaço para acomodar o novo gasto dentro do teto, que limita o avanço das despesas à inflação.

O presidente quer um plano que não inclua a revisão ou a extinção de outros benefícios, como o abono salarial, uma espécie de 14º salário pago a trabalhadores com carteira com salário até R$ 2.090 e que custa cerca de R$ 20 bilhões ao ano. O abono é considerado ineficiente pela equipe econômica, mas a proposta foi rejeitada pelo presidente em reunião na terça-feira, 25. No dia seguinte, em viagem a Minas Gerais, Bolsonaro avisou que não vai "tirar de pobres para dar a paupérrimos".

Na primeira referência pública de Guedes às críticas do presidente, o ministro - que chegou a ser alvo de rumores de que pediria demissão - disse que tomou um "carrinho" de Bolsonaro nesta semana. "Ainda bem que foi fora da área, senão era pênalti", brincou Guedes em uma live organizada pelo setor do aço. Ontem, o ministro e Bolsonaro se encontraram fora da agenda oficial dos dois.

Técnicos discutiam ontem uma revisão no seguro-defeso, pago a pescadores artesanais no período de reprodução dos peixes, quando a pesca é proibida. Para acabar ou restringir o programa, que tem um custo de R$ 2,5 bilhões por ano e é sempre criticado por ter alto índice de fraudes, é preciso aprovar um projeto de lei - o que exige menos apoio do que os três quintos necessários para mudar a Constituição e mexer no abono. No entanto, governos anteriores também fracassaram nas tentativas de modificar o seguro-defeso.

Pouso suave

Enquanto não aponta a fonte do novo programa, a ideia do governo é que a extensão do auxílio seja uma transição para um "pouso suave" no novo Renda Brasil. Os técnicos da área econômica continuam debruçados sobre as alternativas para liberar espaço no Orçamento para o Renda Brasil e não desistiram nem mesmo de tentar convencer o presidente a propor alguma mudança no alcance do abono salarial atual. A ideia é tentar emplacar a mesma alteração proposta na reforma da Previdência, que restringia o abono a quem ganha até um salário mínimo (R$ 1.045). A medida também foi rejeitada pelo Congresso.

Ontem, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que quem dá o "timing" sobre temas como a prorrogação do auxílio emergencial e a criação do Renda Brasil é a política. Segundo ele, a equipe econômica tem simulações prontas sobre os gastos que os benefícios vão acarretar.

"Eu sempre repito que o timing quem dá é a política. Nós temos as simulações todas preparadas, agora o timing, o nível de auxílio emergencial, de Renda Brasil, tudo isso são decisões políticas", afirmou Guedes na portaria do ministério. Ele foi questionado se o Renda Brasil começaria a ser pago já no início do ano que vem. "Talvez antes, talvez no começo do ano que vem", respondeu.

Sobre o auxílio emergencial, o ministro disse que "a gente sabe que R$ 600 é muito e R$ 200 é pouco". "Estamos tentando acertar os números. Mas está tudo claro, tudo tranquilo."

O auxílio emergencial foi criado originalmente para durar três meses (tendo como base os meses de abril, maio e junho). Depois, o governo prorrogou por duas parcelas (julho e agosto) por meio de decreto. O valor de R$ 600 foi mantido em todo esse período. Para mexer no valor, será preciso editar uma Medida Provisória (MP), que tem vigência imediata.

Foto: Mateus Bonomi/Agif- Agência de Fotografia / Estadão Conteúdo

Fonte: TERRA NOTICIAS

Veja tambem

25/09/2020 | MERCADO FINANCEIRO

Febraban prevê que carteira de crédito deve subir 11,6% em agosto

Levantamento oficial será publicado na segunda-feira pelo BC

23/09/2020 | DESDOBRAMENTO ECONOMICO

Estado cria de grupo de trabalho para ações de recuperação do setor pecuário do Pantanal

Um dos objetivos do GT será criar linhas de crédito para a cadeia produtiva

22/09/2020 | CONB

Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020

Estimativa é de 61,6 milhões de sacas este ano

22/09/2020 | Política Economia

A produção não parou, o homem do campo trabalhou como nunca", diz Bolsonaro na ONU

19/09/2020 | Política Economia

Dólar salta 2,8% e tem maior alta desde junho com nervosismo fiscal

15/09/2020 | CREDITO

Crédito com juros menores para microempresários movimenta R$ 7 milhões

Parceria entre CNI e Caixa viabiliza empréstimos para capital de giro

14/09/2020 | GESTÃO

Importação de arroz pelo Brasil dispara no acumulado de setembro

As maiores importações comparativamente com 2019, de acordo com dados do Ministério da Economia divulgados nesta segunda-feira

11/09/2020 | Política Economia

Real supera bolsa e renda fixa em semana marcada por noticiário sobre inflação

A moeda oscilou entre alta de 0,57%, para 5,3501 reais, durante a tarde, e queda de 1,13%, para 5,2600 reais, ainda pela manhã.

11/09/2020 | AGRONEGÓCIO

CNA participa de seminário sobre acordo comercial Coreia-Mercosul

De janeiro a agosto deste ano, do total de exportações do Brasil para a Coreia, 59% foram de produtos agropecuários.

09/09/2020 | POLITICA DE ECONOMIA

Ministério da Justiça pede explicações a supermercados sobre alta da cesta básica

08/09/2020 | MERCADO FINANCEIRO

Banco Central lança agenda de sustentabilidade ambiental

Ações incluem campanhas internas e criação de linha de crédito

06/09/2020 | ECONOMIA

Clima e pandemia elevam preços de hortifrúti em mais de 80%

O saco de 22kg do limão tahiti era vendido em março a R$ 35. Hoje, essa mesma quantidade é vendida a R$ 100. A fruta cítrica vendida em MT está vindo de SP