Siga-nos nas redes sociais:

BC mantém taxa de juros em 6,5% ao ano

Essa é a terceira manutenção seguida da Selic 01/08/2018 - 20:00:54

O Copom (Comitê de Política Monetária) decidiu manter nesta quarta-feira (1º) a taxa básica de juros da economia em 6,5%, na mínima histórica.

A decisão foi unânime e era esperada por 36 dos 38 economistas ouvidos pela agência de notícias Bloomberg.

Essa é a terceira manutenção seguida da Selic, após ao Banco Central pegar o mercado de surpresa e encerrar em maio o ciclo de cortes.

"Indicadores recentes da atividade econômica refletem os efeitos da paralisação no setor de transporte de cargas, mas há evidências de recuperação subsequente. O cenário básico contempla continuidade do processo de recuperação da economia brasileira, em ritmo mais gradual do que aquele esperado antes da paralisação", disse o BC em comunicado.

O anúncio do BC se dá após a aceleração da inflação em junho, devido à paralisação de caminhoneiros, e fortalecimento do dólar ante o real. Esses fatores, no entanto, trouxeram certo alívio em julho.

O IPCA, índice oficial de inflação, teve alta de 1,26% em junho, a maior para o mês desde 1995, mas o IPCA-15 de julho (prévia da inflação) já desacelerou para 0,64%.

"A inflação do mês de junho refletiu os efeitos altistas significativos da paralisação no setor de transporte de cargas e de outros ajustes de preços relativos. Dados recentes corroboram a visão de que esses efeitos devem ser temporários. As medidas de inflação subjacente ainda seguem em níveis baixos, inclusive os componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária", afirma o comunicado.

O dólar, que fechou junho em alta de 4,04% ante o real, terminou julho em queda de 3,5%.

"O cenário externo apresentou certa acomodação no período recente, mas segue mais desafiador. Os principais riscos estão associados à normalização das taxas de juros em algumas economias avançadas e a incertezas referentes ao comércio global. O apetite ao risco em relação a economias emergentes manteve-se relativamente estável, em nível aquém do observado no início do ano", diz o comunicado.

Nesta quarta, o Federal Reserve (banco central dos EUA), manteve a taxa de juros no intervalo entre 1,75% e 2%, conforme o esperado pelo mercado. Mas o Fed mudou o tom do comunicado ao indicar que a economia americana está forte, o que reforça a expectativa de um novo aumento de juros no encontro de setembro.

Taxas de juros maiores nos EUA atraem para o mercado americano fluxos de capital alocados em outras praças, consideradas mais de risco, mas, por isso, com potencial de rentabilidade maior, como o Brasil.

Apesar de indicações recentes mais positivas no câmbio e na inflação, o ritmo do crescimento econômico brasileiro continua fraco.

No início de julho, o governo anunciou a redução de sua projeção para o PIB (Produto Interno Bruto) de 2,5% para 1,6% em 2018.

As previsões entre economistas consultados pelo Boletim Focus, do BC, caiu para 1,5% -há um mês estava em 1,55%. O documento também projeta inflação mais alta, em 4,11%, do que a de quatro semanas atrás, mas ainda abaixo da meta de inflação de 4,5% ao ano.

O Comitê de Acompanhamento Macroeconômico da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) também reduziu nesta quarta sua estimativa de crescimento do PIB de 2018 para 1,5%. Essa é a terceira sinalização consecutiva de corte nas projeções do grupo: em maio já havia passado de 3% para 2,4% e, na última reunião, em junho, a previsão chegou a 1,6%.

"A economia brasileira continua apresentando baixo dinamismo e grande ociosidade. Além disso, enxergamos poucos fatores que podem estimular uma recuperação no curto prazo. As melhoras na construção civil e no mercado de trabalho não mostraram continuidade, o que nos fez ajustar para baixo a previsão de crescimento deste ano", afirmou Marcelo Carvalho, presidente do comitê.  

Fonte: NOTICIAS AO MINUTO

Veja tambem

17/10/2018 | IBOVESPA BOLSA DE VALORES

Bolsa de Valores de SP fecha com leve alta, apesar de Eletrobras

O indicador encerrou hoje (17) com alta de 0,05%, aos 85.764 pontos.

17/10/2018 | EXPORTAÇÃO

Exportações do agronegócio atingem US$ 8 bilhões em setembro

Em setembro, as exportações brasileiras do agronegócio somaram US$ 8,17 bilhões,

16/10/2018 | BRASIL

Mercado eleva estimativa de inflação para 2018 e para 2019

Expectativa de inflação para este ano passou de 4,40% para 4,43%. Previsão de alta do PIB de 2018 permaneceu em 1,34%. Pesquisa foi divulgada pelo BC nesta segunda (15)

15/10/2018 | ECONOMIA PEDIDOS

Aposentadoria automática por idade no INSS já chega a 17,3% do total

Há cinco meses, quem pede a aposentadoria por idade não precisa mais ir até uma agência do Instituto Nacional do Seguro Social

12/10/2018 | BRASIL

Comércio internacional: Em setembro, vendas externas do setor somam mais de US$ 8 bilhões

O saldo no setor foi superavitário em US$ 7,1 bilhões

11/10/2018 | INFLAÇÃO DA TERCEIRA IDADE PESQUISA FGV

Inflação da terceira idade é de 0,69% no terceiro trimestre

A principal contribuição para a queda da taxa do segundo para o terceiro trimestre deste ano partiu do grupo alimentação, que passou de 2,50% para -1,57%.

10/10/2018 | ECONOMIA ARGENTINA

Economia argentina voltará a crescer em 2019, diz ministro

09/10/2018 | ECONOMIA MERCADO

Dólar fecha perto dos R$ 3,70 após três pregões de queda

Moeda americana recuou 1,46%

09/10/2018 | ECONOMIA

Ibovespa futuro sobe quase 5% após desempenho forte de Bolsonaro em 1º turno da eleição

Por volta das 09:15, o contrato do Ibovespa que vence no próximo dia 17 subia 4,86 por cento, a 86.825 pontos

07/10/2018 | ECONOMIA PROJEÇÃO

País pode acelerar crescimento em 2019 se começar ajuste no 1º semestre

Com juro e inflação baixos, mão de obra disponível e capacidade ociosa, há chance de que o País cresça além de seu potencial médio

06/10/2018 | ECONOMIA NEGÓCIOS

Petrobras volta a vender gasolina mais barata que exterior

Setembro teve maior período de estabilidade desde que a estatal autorizou reajustes diários

06/10/2018 | CRÉDITO RURAL

Crédito rural com taxa pós-fixada é tendência no médio prazo, diz DLL

Com melhorias gradativas na economia brasileira, as linhas com juros pós-fixados devem se tornar mais atrativas para os produtores