Siga-nos nas redes sociais:

BC mantém Selic em 6,5% e indica não mexer tão cedo nos juros com impacto da greve sobre a economia

O Banco Central manteve nesta quarta-feira a taxa básica de juros em 6,50 por cento ao ano, ressaltando que a retomada da atividade econômica será ainda mais gradual do que a esperada antes da greve dos caminhoneiros 03/08/2018 - 08:38:54

O Banco Central manteve nesta quarta-feira a taxa básica de juros em 6,50 por cento ao ano, ressaltando que a retomada da atividade econômica será ainda mais gradual do que a esperada antes da greve dos caminhoneiros, num cenário de menor pressão inflacionária que pavimenta o caminho para os juros continuarem em seu menor nível histórico à frente.

Sobre a paralisação, ocorrida no final de maio, o BC assinalou que os efeitos que elevaram a inflação de junho “devem ser temporários”.

E que “as medidas de inflação subjacente ainda seguem em níveis baixos, inclusive os componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária”, segundo comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC.

Todos os 40 economistas consultados pela Reuters esperavam manutenção dos juros básicos. Esta foi a terceira decisão igual do Copom, após ter cortado a Selic em 7,75 pontos percentuais desde que iniciou o ciclo de afrouxamento, em outubro de 2016.

“Nossa leitura é que continua com 6,5 por cento até o fim do ano e acho que ainda vira o ano. Não porque vai ter reformas, mas porque economia está de quatro”, avaliou o economista-chefe do banco Fator, José Francisco de Lima.

O BC voltou a dizer que seus próximos passos vão continuar dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação.

Nesse sentido, afirmou que apesar de o Copom considerar que os efeitos dos choques recentes sobre a inflação estão se revelando temporários, “é importante acompanhar ao longo do tempo o cenário básico e seus riscos e avaliar o possível impacto mais perene de choques sobre a inflação”.

Nos 12 meses até julho, o IPCA-15, prévia da inflação oficial, acumulou alta de 4,53 por cento, voltando a ficar acima do centro da meta, de 4,5 por cento pelo IPCA com margem de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, pela primeira vez desde março de 2017.

Mas mesmo após o choque temporário derivado da greve dos caminhoneiros e de tarifas de energia elétrica mais salgadas devido à bandeira vermelha 2 que vem impactando as contas de energia desde junho, o BC seguiu calculando alta do IPCA em 4,2 por cento em 2018 pelo cenário de mercado.

Para 2019, a conta subiu ligeiramente a 3,8 por cento, contra 3,7 por cento antes.

Na pesquisa Focus mais recente, feita pelo BC junto a uma centena de economistas, a estimativa para a inflação é de alta de 4,11 por cento este ano e 4,10 por cento em 2019, para o qual a meta é de 4,25 por cento, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual.

Diante do quadro, a maioria dos economistas em pesquisa da Reuters espera que o BC só irá subir os juros só em 2019.

A manutenção da Selic também teve como pano de fundo a queda de 3,16 por cento do dólar frente ao real em julho, movimento que barateia as importações e diminui a pressão sobre a inflação.

Nos meses anteriores, o dólar vinha se valorizando de maneira expressiva, embalado por movimento global de aversão a risco por conta das perspectivas de normalização monetária nos Estados Unidos e que foi mais intenso no Brasil pelas preocupações domésticas com o desfecho das eleições presidenciais.

No comunicado, o BC avaliou que o cenário externo apresentou “certa acomodação no período recente, mas segue desafiador”.

“Os principais riscos estão associados à normalização das taxas de juros em algumas economias avançadas e a incertezas referentes ao comércio global. O apetite ao risco em relação a economias emergentes manteve-se relativamente estável, em nível aquém do observado no início do ano”, disse.

Fonte: Portal do Agronegócio

Veja tambem

17/10/2018 | IBOVESPA BOLSA DE VALORES

Bolsa de Valores de SP fecha com leve alta, apesar de Eletrobras

O indicador encerrou hoje (17) com alta de 0,05%, aos 85.764 pontos.

17/10/2018 | EXPORTAÇÃO

Exportações do agronegócio atingem US$ 8 bilhões em setembro

Em setembro, as exportações brasileiras do agronegócio somaram US$ 8,17 bilhões,

16/10/2018 | BRASIL

Mercado eleva estimativa de inflação para 2018 e para 2019

Expectativa de inflação para este ano passou de 4,40% para 4,43%. Previsão de alta do PIB de 2018 permaneceu em 1,34%. Pesquisa foi divulgada pelo BC nesta segunda (15)

15/10/2018 | ECONOMIA PEDIDOS

Aposentadoria automática por idade no INSS já chega a 17,3% do total

Há cinco meses, quem pede a aposentadoria por idade não precisa mais ir até uma agência do Instituto Nacional do Seguro Social

12/10/2018 | BRASIL

Comércio internacional: Em setembro, vendas externas do setor somam mais de US$ 8 bilhões

O saldo no setor foi superavitário em US$ 7,1 bilhões

11/10/2018 | INFLAÇÃO DA TERCEIRA IDADE PESQUISA FGV

Inflação da terceira idade é de 0,69% no terceiro trimestre

A principal contribuição para a queda da taxa do segundo para o terceiro trimestre deste ano partiu do grupo alimentação, que passou de 2,50% para -1,57%.

10/10/2018 | ECONOMIA ARGENTINA

Economia argentina voltará a crescer em 2019, diz ministro

09/10/2018 | ECONOMIA MERCADO

Dólar fecha perto dos R$ 3,70 após três pregões de queda

Moeda americana recuou 1,46%

09/10/2018 | ECONOMIA

Ibovespa futuro sobe quase 5% após desempenho forte de Bolsonaro em 1º turno da eleição

Por volta das 09:15, o contrato do Ibovespa que vence no próximo dia 17 subia 4,86 por cento, a 86.825 pontos

07/10/2018 | ECONOMIA PROJEÇÃO

País pode acelerar crescimento em 2019 se começar ajuste no 1º semestre

Com juro e inflação baixos, mão de obra disponível e capacidade ociosa, há chance de que o País cresça além de seu potencial médio

06/10/2018 | ECONOMIA NEGÓCIOS

Petrobras volta a vender gasolina mais barata que exterior

Setembro teve maior período de estabilidade desde que a estatal autorizou reajustes diários

06/10/2018 | CRÉDITO RURAL

Crédito rural com taxa pós-fixada é tendência no médio prazo, diz DLL

Com melhorias gradativas na economia brasileira, as linhas com juros pós-fixados devem se tornar mais atrativas para os produtores