Siga-nos nas redes sociais:

Forte exportação de soja, milho, arroz e feijão faz preços explodirem e traz de volta a ameaça da inflação

Exportação aquecida de grãos pode provocar crise na agroindústria, alerta a Federação da Agricultura e Pecuária de Sta. Catarina (Faesc) 05/09/2020 - 15:50:56

É uma situação contraditória. O Brasil é um dos maiores produtores de alimentos do planeta, mas, em razão da exportação acentuada de grãos, terá que importar essa mesma matéria-prima (soja, milho e arroz) – pagando preços maiores – para manter setores essenciais do agronegócio, como o seu gigantesco parque agroindustrial.

“Parece um contrassenso”, mostra o vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC) Enori Barbieri. “Estamos exportando grãos e importando esses mesmos grãos por preços maiores para produzirmos carnes e outros alimentos”.

O ponto central dessa situação é que falta inteligência agrícola, pois o Brasil exporta comodities, beneficia os concorrentes no mercado mundial da proteína animal e ainda tem que comprar de outros países o que produz em abundância.

O caso mais emblemático é da soja. O Brasil é o maior produtor mundial, mas por questões de falta de planejamento e má administração, terá que importar esse grão para alimentar as cadeias produtivas da avicultura e da suinocultura e o sistema agroindustrial.

Ao atingir, neste ano, 123 milhões de toneladas e ultrapassar a potência norte-americana, o País tornou-se também o maior exportador de soja. Foram comercializadas para o exterior 80 milhões de toneladas da safra 2019/2020, das quais 60 milhões já foram embarcadas. O mercado está tão aquecido que 60% da safra brasileira 2020/2021 já está vendida no mercado internacional.

Os preços da soja expressam a que estágio chegou a valorização da oleaginosa. No início da colheita, em fevereiro, a saca de 60 kg estava sendo negociada com o produtor a R$ 85,00 mas, atualmente, está cotada no mercado interno a R$ 130,00.

As agroindústrias, as integradoras e os criadores já sabem que terão que importar soja, provavelmente dos Estados Unidos. Também já sabem que a soja estrangeira custará R$ 150,00 no porto, acrescentando-se a isso o custo da internalização do produto no território nacional. “Pela primeira vez na história recente do agronegócio brasileiro, o preço praticado no interior do Brasil estará acima da Bolsa de Chicago em razão da acentuada escassez do produto, ironicamente, na casa do maior produtor e exportador mundial”, assinala Barbieri.

O farelo de soja, obviamente, acompanha essa escalada. A tonelada já está sendo comercializada acima de R$ 2.000,00.

MILHO e ARROZ

A situação do milho é muito idêntica à da soja. O planeta produz 1,1 bilhão de toneladas, estando a liderança com Estados Unidos (370 milhões de toneladas), o segundo lugar com a China (250 milhões), a terceira posição com o Brasil (100 milhões) e a quarta com Argentina (50 milhões).

A produção nacional da safra e safrinha colhidas em 2020 foi de 100 milhões de toneladas, para um consumo interno de 70 milhões de toneladas e exportação de 30 milhões de toneladas de milho. O preço pago ao produtor está em torno de R$ 50,00 a saca de 60 kg, mas o mercado prevê que subirá para R$ 65,00. Porém, já foram embarcadas 18 milhões de toneladas e os bons preços internacionais estão direcionando boa parte da produção para a exportação, como já ocorreu no ano passado.

Prevendo escassez, grandes consumidores – especialmente a indústria da carne e as cadeias de aves e suínos – já estão importando. O preço do milho para retirar no porto é de R$ 71,00 mais a operação logística de internalização.

A situação do milho (e também do farelo de soja) encarecerá o custo das rações para aves e suínos, aumentando o custo de produção dessas proteínas.

Mais curiosa é a situação do arroz, um dos cereais mais consumidos do mundo. O consumo mundial na safra 2018/2019 foi de 494 milhões de toneladas. O maior produtor é a China e o Brasil fica em 11º lugar.

Dessa vez o Brasil terá que importar, fato que ocorreu pouquíssimas vezes na história. No ano passado, o País colheu 12 milhões de toneladas, mas, os preços ruins dos anos anteriores e a seca deste ano levaram à redução da área plantada (houve migração para soja) e a safra baixou para 10,4 milhões de toneladas.

Além da produção menor, a situação cambial estimulou a exportação de arroz industrializado para o México. No início da colheita, o produtor recebia R$ 45,00 pela saca de 50 kg, preço que evoluiu para R$ 100,00/saca. Entretanto, o mercado externo pagou melhor, razão pela qual o arroz brasileiro foi para o mercado mundial.

Resultado: faltou produto no mercado doméstico e será necessário importar porque a próxima safra só entra em fevereiro de 2021. Atentas a isso, as indústrias pedem a suspensão do imposto de importação (8%), mas os arrozeiros brigam pela manutenção do tributo.

Barbieri analisa que uma das explicações para acentuada valorização dos grãos é o abandono da política de estoques reguladores. Antigamente, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) mantinha estoques para intervir no mercado quando surgia alguma distorção grave nas relações concorrenciais. Nos últimos anos, a Conab somente participa quando os produtos primários são transacionados com nível abaixo dos preços mínimos – o que tornou-se difícil de ocorrer até mesmo porque os preços mínimos sempre estão desatualizados.

O vice-presidente da FAESC lamenta que a maior parcela dos ganhos não fique no campo. “Infelizmente, esses produtos agrícolas não estão mais na mão dos produtores rurais, portanto, quem está ficando com a maior parte desses ganhos são as tradings”.

Foto Reprodução

Fonte: Notícias Agrícolas / FAESC

Veja tambem

26/09/2020 | SOJA

Preço da soja do Brasil caminha para bater recorde histórico, diz Cepea; PIB cresce 5,6%

25/09/2020 | SOJA

Plantio de soja em Mato Grosso já tem atraso por falta de chuvas, diz Imea

o ano passado, 1,69% das áreas haviam sido semeadas até o dia 27 de setembro.

24/09/2020 | MILHO E SORGO

Deral: Colheita da safrinha de milho no PR alcança 98%; plantio da 1ª safra 2020/21 atinge 34%

Conforme o levantamento, 55% das lavouras estavam em situação boa, 31% em média e 14% em situação ruim

23/09/2020 | SOJA

Soja opera com estabilidade em Chicago nesta 4ª feira e mercado busca redefinir direção

O mercado vai se ajustando e buscando redefinir seu direcionamento depois das altas consistentes e intensas das últimas sessões.

22/09/2020 | EXPORTAÇÃO

Mato Grosso exporta 8,69 milhões de t de milho de janeiro a agosto – Imea

De acordo com dados divulgados pela Secex, as exportações de milho no Brasil chegaram à marca de 13,76 milhões de toneladas no acumulado de janago/20

21/09/2020 | MILHO

Exportação de milho segue forte na 3ª semana de setembro/20 com média diária 13% maior do que setembro/19

20/09/2020 | MILHO

Plantio do milho continua no Rio Grande do Sul e saca está 58% mais cara do que mesmo período de 2019

Já o preço do milho no Rio Grande do Sul subiu 2,5% ao longo da semana sendo cotado à R$ 52,68 na última quinta-feira (17)

19/09/2020 | AGRONEGÓCIO

No topo da produção nacional de grãos, Sapezal comemora 26 anos; Governo celebra com repasses em dia e ajuda no combate à Covid 19

O município figurando entre os primeiros do país na produção de algodão, soja e milho. Recebeu, entre janeiro e setembro deste ano, R$ 46,323 milhões de repasses referentes a ICMS, IPVA e Fethab. Também foram enviados testes rápidos e medicamentos

16/09/2020 | PRÓXIMA SAFRA

Produtores rurais apostam em capacitação enquanto aguardam chuva

15/09/2020 | AGRONEGÓCIO

Anec eleva previsão para exportação de milho do Brasil em setembro; mantém soja

O Brasil está no pico do escoamento do milho, com a Anec projetando no início do mês embarques entre 31 milhões e 33 milhões de toneladas para 2020.

14/09/2020 | BOVINOS DE CORTE

Exportações brasileiras de carne bovina crescem 12,3% no acumulado de 2020

Volume embarcado entre janeiro e agosto de 2020 chegou a 1,294 milhão de toneladas; faturamento no período cresceu 23,3%

13/09/2020 | AGRONEGÓCIO

Exportações do agronegócio do Brasil somam quase US$ 9 bi em agosto com soja e açúcar

Em agosto, as exportações de soja em grão atingiram 2,21 bilhões de dólares, alta de 25,1% na variação anual, mas abaixo dos 3,61 bilhões obtidos em julho.