Siga-nos nas redes sociais:

Consumo de carne desaba na Argentina

Entre agosto e setembro, consumo per capita na Argentina diminuiu 17%, de acordo com estatísticas da indústria 05/11/2018 - 08:28:34

Assim como a maioria dos argentinos, Sabrina Pozo costumava comer carne várias vezes por semana. A inflação nas alturas e a forte desvalorização do peso desde abril, no entanto, a obrigaram a mudar a dieta.

"Meus hábitos mudaram muito. Antes, talvez, eu fizesse bife à milanesa uma vez por semana e carne assada uma vez por semana", disse Sabrina, de 36 anos. "Agora, talvez, fique sem fazer a carne assada ou opte por fazer frango, que é um pouco mais barato", acrescentou a comissária de bordo, que mora com a filha em um apartamento em Buenos Aires. "Mais massas, mais arroz".

Quanto mais o país mergulha na crise econômica, menos a carne bovina aparece na mesa das famílias de classe média, segundo análise feita pela Reuters a partir de dados do setor de carne e de entrevistas com consumidores, açougueiros e pecuaristas. Esse é um dos sinais mais claros de como o poder de compra dos argentinos tem sido dizimado pela inflação, que deve superar os 44% até o fim do ano, segundo pesquisa recente do Banco Central.

Os argentinos entrevistados disseram que não podem mais comprar tanta carne quando costumavam e que, agora, escolhem alimentos mais baratos. Açougueiros disseram que houve forte queda nas vendas de carne nos últimos meses. Pecuaristas e frigoríficos, que dependem dos consumidores domésticos para a maior parte de suas vendas, disseram que só estão conseguindo manter a cabeça fora da água graças ao aumento das exportações para Rússia e China, principais compradores externos de carne argentina.

Para os argentinos, nada disso é fácil de engolir. A maioria da população vê o consumo de carne como parte de sua identidade cultural. "Os argentinos, por toda sua vida, sempre comeram carne", lembrou Javier Madeo, de 45 anos, dono de um açougue em Buenos Aires. Os argentinos reduziram gradualmente o consumo de carne nos últimos 60 anos, mas continuam entre os maiores consumidores do mundo. Em setembro, entretanto, uma estatística pouco noticiada da câmara da indústria e comércio de carnes do país, a Ciccra, revelou uma nova realidade: o consumo de carne havia caído para uma média anual de 49 quilos per capita naquele mês.

É um declínio de quase 17% em relação ao mês anterior. Ainda mais significativo é o fato de ter sido um nos menores níveis de consumos já registrados em 60 anos. Em outras duas ocasiões no período analisado, o consumo por pessoa ficou abaixo desse patamar: em fevereiro de 2017 e em março de 2008, mas essas quedas foram influenciadas por menos dias úteis, feriados e por uma disputa entre governo e o setor agrícola.

Tudo isso são más notícias para o presidente do país, Mauricio Macri, que enfrenta impopularidade e se depara com uma difícil batalha para se reeleger em outubro de 2019. Seus cortes aos subsídios da eletricidade, água e gás de cozinha buscaram romper com os ciclos de ascensão e queda econômica do país, mas acabaram tornando a vida dos argentinos mais cara. Ele corre o risco de perder o apoio da classe média.

Em 2017, os argentinos - e os uruguaios -, ainda lideraram o consumo de carne no mundo, segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). De filés a linguiças, as famosas carnes argentinas de alta qualidade dominam os cardápios dos cafés e churrascarias do país, conhecidas como "parrillas". Mas o preço da carne subiu - 9% só em setembro, na comparação com agosto-, segundo dados do IPVCA. Em relação a setembro de 2017, a alta foi de 39%. Em setembro, a inflação na Argentina foi de 6,5%. Os salários não têm acompanhado a elevação dos preços, o que aumenta as aflições.

Os argentinos já viveram disparadas na inflação no passado. Durante a devastadora crise financeira de 2001/2002, as adversidades econômicas derrubaram o consumo de carne. Um surto de febre aftosa no país, no entanto, afetou as exportações e obrigou os produtores a vender mais no mercado interno, a preços mais baixos. Como resultado, os argentinos puderam, em grande medida, saciar o apetite por carnes.

A nova queda no consumo é um grave golpe para a indústria de carne argentina, que já enfrentava o impacto de uma das piores secas em anos, que afetou as pastagens entre o fim de 2017 e meados de 2018. A indústria de carne depende do mercado doméstico para cerca de 86% das vendas, segundo a Ciccra. A forte demanda na China e na Rússia ajudou o setor a compensar as perdas do mercado doméstico, mas as exportações, embora em alta, representam pequena parte das vendas.

Apesar da boa fama da carne argentina, os embarques são muito menores que o de outros grandes exportadores, como Brasil e Austrália, segundo o consultor Matias Sara. Por anos, a burocracia e as políticas do governo para o mercado doméstico foram um obstáculo para o crescimento das exportações.

Macri, um defensor do livre mercado, cortou os impostos sobre as exportações quando assumiu o governo para tentar impulsionar a atividade da economia, até então fechada. Posteriormente, ele reintroduziu as taxas sobre as exportações, para tentar equilibrar o orçamento.

Fonte: Portal do Agronegócio

Veja tambem

13/11/2018 | BIOTECNOLOGIA

20 anos de biotecnologia no campo e porque devemos preservá-la

A agricultura está presente em grande parte da história do ser humano, que sempre precisou se alimentar e, posteriormente, ter seu sustento por meio desta atividade

12/11/2018 | SOJA

Brasil e EUA vão produzir menos soja, mas estoques são recordes

A última quinta-feira (8) foi o dia dos números. Brasil e Estados Unidos refizeram estimativas de produção de grãos da safra que terminou e da que está sendo plantada

12/11/2018 | LEILÕES

Leilão Nelore Água Fria em Marabá oferta 100 touros PO e 5 mil bezerros

Idealizado por João Guimarães & Convidados, o remate será realizado pela Estância Bahia Leilões e transmissão ao vivo no dia 17 de novembro pelo Canal Terraviva a partir das 14h

12/11/2018 | Política Economia

Relação com os EUA ou com a China? Os dois, responde Marcos Yank

Desafios da Política Comercial de Bolsonaro, por MARCOS SAWYA JANK (na FOLHA DE S. PAULO).

10/11/2018 | AGROGESTÃO

Agronegócio ganha força no governo Bolsonaro

A adesão não foi difícil, já que seu programa de governo respaldava reivindicações históricas do setor, que representa 23,5% do PIB e 44% das exportações brasileiras

09/11/2018 | BOVINOS LEITE

Gado holandês ganha espaço para comercialização online

Iniciativa está abrigada no site da Gadolando para a compra e venda entre os criadore

08/11/2018 | EXPORTAÇÃO

Exportações de carne de frango mantém alta em outubro

Em receita, as vendas do período alcançaram US$ 578,5 milhões, número 8,3% menor que o resultado obtido em outubro de 2017, com US$ 631,2 milhões

07/11/2018 | AZ AGROPECUÁRIA & CONVIDADOS

AZ Agropecuária & Convidados ofertam 3 mil animais em leilão

Assessoria de Imprensa Estância Bahia Leilões

06/11/2018 | TRIGO E CEVADA

Colheita do trigo avança no Rio Grande do Sul

Estimativa da FecoAgro/RS é de que 500 mil toneladas do cereal foram comercializadas antecipadamente

06/11/2018 | GESTÃO

Entidades do agronegócio apresentam resultados do Soja Plus em Campo Grande

Associações e Federações da cadeia agrícola se reúnem no dia 21 de novembro, em Campo Grande (MS), para apresentar os resultados do programa Soja Plus em 2018 e as perspectivas para 2019

02/11/2018 | LOGÍSTICA E TRANSPORTE

APPA investe R$ 16 milhões em obras de modernização no Porto de Paranaguá

As obras de revitalização da avenida Bento Rocha avançaram e o bloqueio que estava na avenida Coronel Santa Rita foi estendido até a rua Ludovica Bório

01/11/2018 | AFTOSA

2ª etapa de vacinação contra aftosa é aberta e segue até fim do mês no Estado

Estimativa é de que mais de 13 mi de bovinos e bubalinos sejam vacinados em MT; venda de vacinas já está liberada