Siga-nos nas redes sociais:

À espera do USDA, mercado inicia pregão desta 3ª feira em campo positivo em Chicago

Perto das 8h17 (horário de Brasília), as principais posições da commodity exibiam ganhos de mais de 7 pontos, com o vencimento julho/18 cotado a US$ 9,61 por bushel, enquanto o agosto/18 era negociado a US$ 9,66 por bushel 12/06/2018 - 09:58:55

Na Bolsa de Chicago (CBOT), os futuros da soja iniciaram o pregão desta terça-feira (12) em campo positivo. Perto das 8h17 (horário de Brasília), as principais posições da commodity exibiam ganhos de mais de 7 pontos, com o vencimento julho/18 cotado a US$ 9,61 por bushel, enquanto o agosto/18 era negociado a US$ 9,66 por bushel. O novembro/18 trabalhava a US$ 9,81 por bushel.

De acordo com informações das agências internacionais, as cotações da oleaginosa testam uma reação após as perdas registradas recentemente. Nos últimos seis pregões, o mercado recuou e tocou os patamares mais baixos dos últimos meses.

Além disso, os preços da commodity também encontram sustentação na queda no índice de lavouras em boas e excelentes condições nos EUA. Ainda no final da tarde desta segunda-feira, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) indicou que 74% das plantações de soja apresentavam boas ou excelentes condições, até o último domingo. Na semana anterior, o percentual era de 75%.

Paralelamente, os traders também já aguardam o novo relatório de oferta e demanda do USDA, que será reportado hoje às 13h00 (horário de Brasília). A expectativa é que o departamento revise para cima a safra americana de soja da temporada 2018/19.

Veja como fechou o mercado nesta segunda-feira:

Soja: Mercado recua mais de 1% nesta 2ª em Chicago com clima favorável no Meio-Oeste

O pregão desta segunda-feira (11) foi negativo aos preços da soja negociados na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais posições da commodity recuaram pelo sexto dia seguido e finalizaram a sessão com quedas de mais de 15 pontos, uma desvalorização de mais de 1%. O julho/18 operava a US$ 9,53 por bushel e o agosto/18 era cotado a US$ 9,59 por bushel. O novembro/18 encerrou o dia a US$ 9,73 por bushel.

"Os contratos futuros da soja recuaram nesta segunda-feira e tocaram os patamares mais baixos dos últimos meses, já que as chuvas generalizadas no Meio-Oeste dos EUA reforçaram as perspectivas de uma boa safra nesta temporada", reportou a Reuters internacional.

As previsões climáticas indicam chuvas ao longo dessa semana em partes de Iowa e Nebraska. "E as chuvas contínuas fazem com que os investidores acreditem que o relatório de acompanhamento de safras do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) desta tarde mostrará boas e excelentes condições", informou o Agriculture.com.

"O relatório do USDA deverá mostrar índices de milho e soja com queda do percentual de lavouras em boas ou excelentes condições entre 1% e 2% nesta semana, mas ainda muito altos para a época do ano", afirmou a Al Kluis, Kluis Advisors em nota aos clientes.

Na semana anterior, cerca de 75% das lavouras americanas de soja apresentavam boas ou excelentes condições, conforme último relatório do departamento americano.

As agências internacionais também destacaram que as tensões comerciais elevadas entre os EUA e os principais parceiros comerciais, como a China, México e Canadá, também pressionaram negativamente as cotações dos grãos. "Isso em meio a preocupações com a demanda mais lenta das exportações", completa a Reuters internacional.

Ainda nesta segunda-feira, o USDA indicou os embarques semanais de soja em 644,3 mil toneladas na semana encerrada no dia 7 de junho. O volume ficou acima do registrado na semana anterior, de 573,2 mil toneladas. As estimativas do mercado giravam entre 400 mil a 700 mil toneladas.

No acumulado da temporada, os embarques norte-americanos de soja totalizam 47.457,003 milhões de toneladas. Em igual período do ano passado, o volume estava em 51.636,844 milhões de toneladas.

Além disso, os participantes do mercado já se preparam para o próximo boletim de oferta e demanda do USDA, que será reportado nesta terça-feira (12). Os investidores seguem atentos aos estoques da safra velha e as projeções para a nova safra americana.

Mercado interno

O início da semana foi de ligeiras movimentações aos preços da soja no mercado doméstico. Conforme levantamento do economista do Notícias Agrícolas, André Lopes, o preço caiu 4,08% em Panambi (RS), com a saca da oleaginosa a R$ 70,50. Em Não-me-toque (RS), o recuo ficou em 2,82%, com a saca a R$ 69,00.

No Paraná, na praça de Cascavel, a perda ficou em 2,70%, com a saca da soja a R$ 72,00. Já em Pato Branco (PR), o recuo foi de 2,00%, com a saca a R$ 73,50. Na região de Campo Novo do Parecis (MT), a perda ficou em 1,52%, com a saca a R$ 65,00.

Nos Porto de Paranaguá, a saca futura, para entrega em março/19, caiu 0,60% e fechou o dia a R$ 82,50. No terminal de Rio Grande, o disponível recuou 1,89%, com a saca a R$ 83,00. O valor futuro caiu 1,76%, com a saca a R$ 83,50.

As negociações ainda seguem lentas no mercado interno em meio às incertezas em relação ao tabelamento do frete. Representantes dos caminhoneiros e da ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestres) realizam na tarde desta segunda-feira uma reunião para a criação de uma nova tabela com os preços mínimos de fretes para o transporte rodoviário.

Fonte: Portal do Agronegócio

Veja tambem

17/07/2018 | BOVINOS DE CORTE

Raça Montana passa a integrar programa de produção de carnes premium da JBS

O Programa Montana se enquadra com folga nas exigências da norma 1953, fornecendo animais com mais de 50% de composição taurina e cobertura de gordura entre três e seis milímetros

16/07/2018 | ANÁLISE DE MERCADO

Produtividade garantirá safra recorde de grãos em Minas

A safra 2017/18 de grãos caminha para o encerramento com um novo recorde produtivo em Minas Gerais

16/07/2018 | ANÁLISE DE MERCADO

IGP-10 desacelera alta a 0,93% em julho com queda de agropecuários no atacado, diz FGV

Os preços dos Produtos Agropecuários registraram no período queda de 0,83 por cento, depois de terem avançado 2,78 por cento em junho.

15/07/2018 | EXPORTAÇÃO

Brasil exportou 2.157 milhões de sacas de café no mês de junho

Comparada a maio passado, onde os números ficaram em 1.414 milhão de sacas e US$ 214,3 milhões de faturamento, as exportações de café de junho apresentaram elevações de 52,6% em termos de volume e 44,8% na receita cambial

14/07/2018 | EXPORTAÇÃO

Exportações totais de carne bovina caem 47% em junho

Com isso, o semestre foi encerrado com um crescimento de apenas 4% em toneladas e de 3% na receita

13/07/2018 | TRANSPORTE

Sem transporte, comercialização da soja em Mato Grosso trava em 86%

Relatório do Imea alerta que os efeitos da greve dos caminhoneiros praticamente pararam as negociações de soja no Estado

12/07/2018 | AGRO/SOJA

Venda de soja da safra 17/18 chegou a 77% do total, estima consultoria

De acordo com a Safras e Mercado, sojicultor também já comprometeu 15% da produção de 2018/2019, que ainda será plantada

11/07/2018 | APOSTA DE FUNDOS

Mundo enfrenta enorme excedente de açúcar

Os estoques de açúcar deverão atingir um recorde e, devido à desaceleração do crescimento da demanda e ao aumento da produção, a commodity registra o pior desempenho de 2018

10/07/2018 | MERCADO FINANCEIRO

Bolsa de Buenos Aires: seca representa perda de US$6 bi na soja e milho argentinos

09/07/2018 | ANÁLISE DE MERCADO

Enormes e implacáveis

A sobretaxa imposta pelo governo chinês às importações de carne de frango do Brasil, de até 38% e em nome de uma política antidumping, pode ter raízes e implicações negociais mais profundas do que a aparência sugere

06/07/2018 | AGRO/FEIÃO

Previsão de esfriamento da Terra deve impactar a produção de Feijões, Pulses e Colheitas Especiais

Informação é do professor Luiz Carlos Molion, que vai ministrar palestra sobre as perspectivas do clima para 2018/2019 e as tendências para os próximos anos no VI Fórum Brasileiro do Feijão, Pulses e Colheitas Especiais

05/07/2018 | EXPORTAÇÃO

Produtor brasileiro de leite recebe proteção em proposta que limita importações

O produto mais importado foi o leite em pó (61%), seguido pelos queijos (26%), com maior concentração na Argentina e Uruguai.