Siga-nos nas redes sociais:

À espera do USDA, mercado inicia pregão desta 3ª feira em campo positivo em Chicago

Perto das 8h17 (horário de Brasília), as principais posições da commodity exibiam ganhos de mais de 7 pontos, com o vencimento julho/18 cotado a US$ 9,61 por bushel, enquanto o agosto/18 era negociado a US$ 9,66 por bushel 12/06/2018 - 09:58:55

Na Bolsa de Chicago (CBOT), os futuros da soja iniciaram o pregão desta terça-feira (12) em campo positivo. Perto das 8h17 (horário de Brasília), as principais posições da commodity exibiam ganhos de mais de 7 pontos, com o vencimento julho/18 cotado a US$ 9,61 por bushel, enquanto o agosto/18 era negociado a US$ 9,66 por bushel. O novembro/18 trabalhava a US$ 9,81 por bushel.

De acordo com informações das agências internacionais, as cotações da oleaginosa testam uma reação após as perdas registradas recentemente. Nos últimos seis pregões, o mercado recuou e tocou os patamares mais baixos dos últimos meses.

Além disso, os preços da commodity também encontram sustentação na queda no índice de lavouras em boas e excelentes condições nos EUA. Ainda no final da tarde desta segunda-feira, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) indicou que 74% das plantações de soja apresentavam boas ou excelentes condições, até o último domingo. Na semana anterior, o percentual era de 75%.

Paralelamente, os traders também já aguardam o novo relatório de oferta e demanda do USDA, que será reportado hoje às 13h00 (horário de Brasília). A expectativa é que o departamento revise para cima a safra americana de soja da temporada 2018/19.

Veja como fechou o mercado nesta segunda-feira:

Soja: Mercado recua mais de 1% nesta 2ª em Chicago com clima favorável no Meio-Oeste

O pregão desta segunda-feira (11) foi negativo aos preços da soja negociados na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais posições da commodity recuaram pelo sexto dia seguido e finalizaram a sessão com quedas de mais de 15 pontos, uma desvalorização de mais de 1%. O julho/18 operava a US$ 9,53 por bushel e o agosto/18 era cotado a US$ 9,59 por bushel. O novembro/18 encerrou o dia a US$ 9,73 por bushel.

"Os contratos futuros da soja recuaram nesta segunda-feira e tocaram os patamares mais baixos dos últimos meses, já que as chuvas generalizadas no Meio-Oeste dos EUA reforçaram as perspectivas de uma boa safra nesta temporada", reportou a Reuters internacional.

As previsões climáticas indicam chuvas ao longo dessa semana em partes de Iowa e Nebraska. "E as chuvas contínuas fazem com que os investidores acreditem que o relatório de acompanhamento de safras do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) desta tarde mostrará boas e excelentes condições", informou o Agriculture.com.

"O relatório do USDA deverá mostrar índices de milho e soja com queda do percentual de lavouras em boas ou excelentes condições entre 1% e 2% nesta semana, mas ainda muito altos para a época do ano", afirmou a Al Kluis, Kluis Advisors em nota aos clientes.

Na semana anterior, cerca de 75% das lavouras americanas de soja apresentavam boas ou excelentes condições, conforme último relatório do departamento americano.

As agências internacionais também destacaram que as tensões comerciais elevadas entre os EUA e os principais parceiros comerciais, como a China, México e Canadá, também pressionaram negativamente as cotações dos grãos. "Isso em meio a preocupações com a demanda mais lenta das exportações", completa a Reuters internacional.

Ainda nesta segunda-feira, o USDA indicou os embarques semanais de soja em 644,3 mil toneladas na semana encerrada no dia 7 de junho. O volume ficou acima do registrado na semana anterior, de 573,2 mil toneladas. As estimativas do mercado giravam entre 400 mil a 700 mil toneladas.

No acumulado da temporada, os embarques norte-americanos de soja totalizam 47.457,003 milhões de toneladas. Em igual período do ano passado, o volume estava em 51.636,844 milhões de toneladas.

Além disso, os participantes do mercado já se preparam para o próximo boletim de oferta e demanda do USDA, que será reportado nesta terça-feira (12). Os investidores seguem atentos aos estoques da safra velha e as projeções para a nova safra americana.

Mercado interno

O início da semana foi de ligeiras movimentações aos preços da soja no mercado doméstico. Conforme levantamento do economista do Notícias Agrícolas, André Lopes, o preço caiu 4,08% em Panambi (RS), com a saca da oleaginosa a R$ 70,50. Em Não-me-toque (RS), o recuo ficou em 2,82%, com a saca a R$ 69,00.

No Paraná, na praça de Cascavel, a perda ficou em 2,70%, com a saca da soja a R$ 72,00. Já em Pato Branco (PR), o recuo foi de 2,00%, com a saca a R$ 73,50. Na região de Campo Novo do Parecis (MT), a perda ficou em 1,52%, com a saca a R$ 65,00.

Nos Porto de Paranaguá, a saca futura, para entrega em março/19, caiu 0,60% e fechou o dia a R$ 82,50. No terminal de Rio Grande, o disponível recuou 1,89%, com a saca a R$ 83,00. O valor futuro caiu 1,76%, com a saca a R$ 83,50.

As negociações ainda seguem lentas no mercado interno em meio às incertezas em relação ao tabelamento do frete. Representantes dos caminhoneiros e da ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestres) realizam na tarde desta segunda-feira uma reunião para a criação de uma nova tabela com os preços mínimos de fretes para o transporte rodoviário.

Fonte: Portal do Agronegócio

Veja tambem

25/09/2018 | PESQUISAS

Primeira sequência do genoma do Coffea arabica é liberada ao público

Pesquisa liderada por illycaffè e Lavazza ajudará a indústria do café a se preparar para as mudanças climáticas e a melhorar a qualidade do produto final

24/09/2018 | CRÉDITO RURAL

Certidão garante crédito rural para agricultores em áreas de ocupação

A ação favorecerá o crescimento econômico e contribuirá para a geração de emprego e renda a milhares de famílias que se encontram nessa situação

23/09/2018 | EXPORTAÇÃO / MILHO

Mercado dá continuidade ao movimento positivo e testa leves ganhos na manhã desta 6ª em Chicago

Por volta das 8h38 (horário de Brasília), as principais posições da commodity exibiam ganhos entre 1,50 e 1,75 pontos

22/09/2018 | SOJA

Aumenta volume de esmagamento de soja em Mato Grosso

O IMEA – Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária – divulgou, hoje, o volume de soja em grão esmagado em Mato Grosso durante o mês de agosto.

21/09/2018 | AGRICULTURA FAMILIAR

AGRICULTURA FAMILIAR Prefeitura ajuda a diversificar economia de famílias da Gleba Mercedes

O projeto, que tem iniciativa da Prefeitura e emenda parlamentar estadual no valor de R$300 mil

20/09/2018 | AGOSTO

Terminal quebra recorde de transporte de cargas em terminal de Rondonópolis

Volume total transportado pela Companhia em agosto foi de 5,3 milhões de toneladas de produtos agrícolas e industriais em terminais de 6 estados

20/09/2018 | BOVINOS LEITE

Produtores de leite da América Latina conhecem maior núcleo genético da atualidade nos EUA

O terceiro dia do ABS Global Experience contou com visitas a mais uma fazenda familiar – a Johnson’s Rolling Acres – e também à sede do projeto De-Novo

19/09/2018 | APICULTURA

Mato Grosso tem grande potencial botânico e climático para a apicultura

O Brasil possui a maior florada apícola do mundo e o estado destaca-se por ter três ecossistemas bem distintos: Cerrado, Pantanal e Floresta Amazônica.

19/09/2018 | SOJA CONVENCIONAL

Soja convencional ainda é cultivada no Brasil, mas área plantada diminui

No ano passado, semente não-transgênica ocupou 17,3% da área de cultivo e, neste ano, não deve passar de 12%. Custo de produção é mais alto, mas valor de venda também.

18/09/2018 | MEIO AMBIENTE

Inovação no licenciamento ambiental

Pela sua vocação de produtor mundial de alimentos, o Brasil participa do desafio de aumentar a produção agrícola para atender projeção de demanda de alimentos, fibras e bioenergia até o ano 2050

17/09/2018 | PECUÁRIA DE LEITE

Três produtores da região de Quatro Marcos são destaques no SENAR Tec Leite

17/09/2018 | GESTÃO

Mais de 90% dos pecuaristas paulistas que adotaram sistemas integrados afirmam que continuarão com a tecnologia

Os que adotam a integração lavoura-pecuária (ILP) têm maior tempo de experiência com agricultura, participam de eventos agropecuários e de cooperativas agrícolas e recebem mais visitas da assistência técnica